Kassab usa Copa para negociar dívida

O investimento em projetos viários para a Copa de 2014 virou moeda de troca do prefeito Gilberto Kassab (DEM) na renegociação da dívida de São Paulo com a União. Kassab pediu que o governo federal reduza de 9% para 6% a taxa de juros anual cobrada desde 2002. Como contrapartida, ele promete bancar a infraestrutura no entorno do estádio em Itaquera, zona leste da capital, que deve ser construído para a abertura do Mundial.

Diego Zanchetta, O Estado de S.Paulo

15 Fevereiro 2011 | 00h00

É a quarta proposta que a Prefeitura apresenta ao Ministério da Fazenda em seis anos, desde o início da gestão José Serra/Kassab, em 2005. Desta vez, porém, o cenário político indica que as chances de sucesso são maiores. Kassab está prestes a aterrissar no PMDB pró-governo Dilma Rousseff. Existe ainda a possibilidade de o prefeito fundar um novo partido para ser aliado do PT nas eleições municipais de 2012.

Kassab argumenta que a dívida, hoje em R$ 44 bilhões, é impagável e engessa a capacidade de investimentos da Prefeitura. Caso consiga fazer a renegociação, o prefeito obtém fôlego de R$ 6 bilhões a mais no orçamento de 2012, quando vai tentar fazer o sucessor. A entrada dos recursos ampliaria a capacidade de endividamento do Município de 120% do orçamento para 200%.

O governo federal só deve dar uma posição oficial à Prefeitura no início de abril.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.