Kassab sinaliza que irá vetar projeto do Dia do Orgulho Hetero em SP

'Não sei no que contribui a lei', afirmou o prefeito; texto foi aprovado na Câmara dos Vereadores

Diego Zanchetta e Felipe Frazão, O Estado de S.Paulo

12 de agosto de 2011 | 12h54

SÃO PAULO - O prefeito Gilberto Kassab (sem partido) deu clara sinalização na manhã desta sexta-feira, 12, de que poderá vetar a proposta que cria o Dia do Orgulho Heterossexual em São Paulo. "É evidente que é um projeto que não sei no que contribui. Vamos tomar cuidado para ver se tem alguma ilegalidade", afirmou o prefeito durante a inauguração de uma escola de educação infantil em Pirituba, na zona oeste.

 

Kassab recebeu durante a semana pedido de vereadores e de lideranças do movimento gay para que vete a proposta. A declaração do prefeito antecedeu a abertura da II Conferência Municipal LGBT de São Paulo. O evento reunirá, a partir desta noite (19h), militantes de grupos gays para discutir os direitos e a promoção da cidadania a gays, lésbicas, travestis, transexuais e transgêneros na cidade.

 

No encontro durante o final de semana, devem ser estabelecidas as bases do Plano Municipal de Promoção da Cidadania LGBT e o Combate à Homofobia. A realização é capitaneada pela Secretaria Municipal de Participação e Parceria, que também auxilia na organização na Parada do Orgulho Gay de São Paulo - a maior do País.

 

 

A proposta que cria o Dia do Orgulho Hetero nos terceiros domingos de dezembro foi aprovada há duas semanas pela Câmara Municipal. O autor da proposta é o vereador evangélico Carlos Apolinário (DEM), que critica "privilégios dos gays na cidade", como a realização da Parada Gay na Avenida Paulista.

 

Diversas lideranças partidárias do Legislativo paulistano também estão defendendo o veto ao projeto, como o presidente da Câmara Municipal, José Police Neto (sem partido), o líder do PSDB, Floriano Pesaro, e o líder do PT, Ítalo Cardoso.

 

Caso Kassab não sancione ou não vete o Dia Hetero até a próxima sexta-feira, o projeto volta à Câmara e será automaticamente promulgado como nova lei.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.