Kassab não vai cumprir meta de corredores

A Prefeitura de São Paulo reconheceu ontem que não vai cumprir a meta de construir 66 quilômetros de corredores de ônibus até o fim da gestão, no fim do ano que vem. Serão concluídos apenas o corredor da Radial Leste (zona leste) e o da Avenida Luís Carlos Berrini (zona sul).

, O Estado de S.Paulo

01 Julho 2011 | 00h00

Os dois corredores juntos somam pouco mais de 10 quilômetros. A primeira parte do corredor da Radial (que deve ser concluída bem no fim da gestão) terá 8 km de extensão entre o Terminal do Parque D. Pedro e a região do Aricanduva. Serão no total 12 paradas - três delas ao lado de estações de metrô: Pedro II, Belém e Tatuapé. O projeto prevê ampliação de 9,5 km na zona leste, mas ainda sem previsão. O corredor da Berrini terá cerca de 3 km.

O secretário municipal dos Transportes, Marcelo Cardinale Branco, explica que a meta inicial foi abandonada para fazer investimentos em sistemas de transporte de alta capacidade. Alguns projetos, como o Expresso Tiradentes, deixaram de ser corredor de ônibus e se transformaram metrô, sob responsabilidade do governo estadual.

"Demos uma solução de projeto muito maior do que a que proposta inicialmente. Em quilômetros de corredor, não serão feitos os previstos na meta, mas os projetos serão feitos com um prazo maior, mas para uma capacidade maior", informou o secretário, que ressaltou que a Prefeitura pretende investir R$ 2 bilhões em obras do Metrô.

Integração. Os testes para a integração entre a rede sobre trilhos e os ônibus da EMTU vão começar em julho, provavelmente na Estação Barra Funda. Algumas catracas serão adaptadas com mecanismo para diferenciar a fonte de recurso dos cartões (Bilhete Único, ou o chamado BOM). No entanto, usuários ainda não terão durante esse período de testes descontos na integração - como existe hoje entre o Metrô e os ônibus municipais de São Paulo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.