Kassab não quer principal marca da gestão esquecida

Bastidores: Artur Rodrigues

O Estado de S.Paulo

28 Março 2012 | 03h02

Desde o ano passado, o prefeito Gilberto Kassab (PSD) tem feito de tudo para que a principal marca de sua gestão, a Lei Cidade Limpa, não caia no esquecimento. Não é à toa que, em 2011, a administração multou 4.592 pessoas, mais gente do que nos quatro anos anteriores somados. Botar quem viola a legislação na cadeia é a mais nova aposta de Kassab.

Como não tem autoridade para prender, a Prefeitura se reuniu com a Polícia Civil para encontrar alternativas para radicalizar a Cidade Limpa. A administração levantou até nomes de suspeitos que poderiam ser detidos por crime ambiental, em uma ação conjunta. Assim como aconteceu com a ação na cracolândia, porém, a polícia saiu na frente ontem de manhã. A Prefeitura só ficou sabendo que a operação havia começado, sem ela, horas antes de uma entrevista coletiva que já havia sido convocada pelo Departamento de Polícia de Proteção à Cidadania (DPPC).

Para intensificar a fiscalização, o coordenador do grupo que fiscaliza a Cidade Limpa, José Rubens Domingues Filho, ganhou autoridade suficiente para cobrar resultados dos subprefeitos. Agora, a ordem é retirar qualquer propaganda irregular dentro do prazo de 48 horas. Semanalmente, é realizada uma reunião para estabelecer novas metas para limpar a cidade.

A administração tem ainda outras cartas na manga para este ano. Uma delas será uma grande ofensiva contra os anúncios irregulares usados pelos valets em bairros boêmios da cidade, como as Vilas Madalena e Olímpia.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.