Justiça suspende bloqueio de bens do médico Roger Abdelmassih

Ele é acusado de estuprar 56 clientes em sua clínica de reprodução assistida e foi indiciado em junho de 2009

Julia Baptista, do estadão.com.br,

16 Setembro 2010 | 11h33

O Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP) suspendeu por maioria de votos a cassação dos bens do médico Roger Abdelmassih, acusado de estuprar 56 clientes de sua clínica de reprodução assistida, a Clínica de Andrologia São Paulo, localizada em uma região nobre da cidade. A decisão foi dada nesta terça-feira, 14.

 

Abdelmassih foi acusado pelo Ministério Público, indiciado pela polícia em junho de 2009 e preso em agosto do ano passado. Em dezembro, ele foi solto por meio de habeas corpus concedido pelo Supremo Tribunal Federal (STF).

 

O Tribunal de Justiça atendeu recurso do médico contra liminar da juíza Adriana Sachsida Garcia, da 34.ª Vara Cível da capital, que, em dezembro ano passado, determinou a indisponibilidade dos bens e imóveis e o bloqueio das aplicações financeiras do acusado. O pedido foi feito pela Promotoria de Defesa do Consumidor.

 

Segundo o advogado do médico Flávio Yarshell, o TJ-SP reconheceu a impossibilidade do Ministério Público de defender direitos 'homogêneos' em uma ação civil pública. "As mulheres prejudicadas teriam de provar tudo o que disseram na ação coletiva em ações individuais", afirmou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.