Divulgação Polícia Civil
Divulgação Polícia Civil

Justiça solta parente de criança morta na zona leste; 2 seguem presos

Polícia encerrou inquérito que investigava a morte de 2 meninas de 3 anos; perícia encontrou material genético do tio de uma delas

Marco Antônio Carvalho, O Estado de S.Paulo

28 Novembro 2017 | 19h36

SÃO PAULO - O Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), da Polícia Civil paulista, encerrou o inquérito que investigava a morte de duas crianças de 3 anos, cujos corpos foram encontrados em outubro após duas semanas de desaparecimento na zona leste da capital. Apesar de ter solicitado a conversão de prisão temporária em preventiva dos três suspeitos, a Justiça só acatou o pedido contra o motorista Marcelo Pereira de Souza e o pintor Everaldo de Jesus Santos. Um parente de uma das vítimas, que chegou a ser mantido preso, foi liberado.

+++ Parente é preso por envolvimento com morte de criança na zona leste

Em nota, a Secretaria da Segurança Pública (SSP) informou que Souza e Santos foram encaminhados ao Centro de Detenção Provisória (CDP) de Pinheiros. "O parente de uma das vítimas foi liberado, após alvará de soltura expedido pela Justiça."

+++ Polícia diz que meninas mortas na zona leste foram violentadas

Segundo a TV Globo, o parente seria Thiago Henrique Oliveira Santos, tio de Beatriz Moreira dos Santos. A perícia encontrou indícios de que seu material genético estaria na roupa da vítima. 

+++ Crianças desaparecidas há 18 dias são encontradas mortas na zona leste

A polícia não detalhou a razão pela qual a Justiça liberou Santos. Agora, o Ministério Público deverá analisar as informações reunidas pelo inquérito policial e decidir se apresenta à Justiça denúncia contra os suspeitos pelas mortes das meninas, incluindo uma acusação formal contra o tio, agora solto. 

Adrielly Mel Severo Porto e Beatriz estavam desaparecidas desde 24 de setembro e foram encontradas mortas no dia 12 de outubro dentro de uma van em um terreno baldio no Jardim Lapena, zona leste. Elas teriam sido asfixiadas e depois estupradas pelos suspeitos, segundo a polícia.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.