Justiça nega habeas corpus a Mizael e vigia envolvido na morte de Mércia

Policial aposentado e Evandro Silva tiveram prisão preventiva decretada no último dia 7

Luciana Fadon Vicente, Central de Notícias

27 Dezembro 2010 | 19h26

SÃO PAULO - O Tribunal de Justiça de São Paulo negou nesta segunda-feira, 27, liminar que pedia habeas corpus para o ex-policial militar Mizael Bispo de Souza e o vigia Evandro Bezerra da Silva. Com a decisão da desembargadora Angélica de Almeida da 12ª Câmara Criminal do TJ, os acusados pelo homicídio da advogada Mércia Nakashima, desaparecida em 23 de maio, tiveram a prisão preventiva mantida.

 

Em nota, o Tribunal de Justiça aponta que a decisão aconteceu após a desembargadora verificar novos fatos "envolvendo familiares da vítima e ameaças formuladas a testemunhas por terceira pessoa", que devem ser analisados.

 

Mizael e Evandro tiveram a prisão preventiva decretada no último dia 7, pelo juiz Leandro Bittencourt Cano, da Vara do Júri de Guarulhos. O advogado de Mizael, Samir Haddad, fez o pedido de revogação de prisão por meio de habeas corpus no dia 16 de dezembro.

Mais conteúdo sobre:
Caso Mércia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.