Justiça nega anulação de júri do casal Nardoni, mas reduz pena de Alexandre

Segundo desembargador, redução se deve a 'erro de cálculo na pena inicial'; este era o último recurso no Estado

Priscila Trindade, Central de Notícias

03 de maio de 2011 | 13h45

SÃO PAULO - A 4ª Câmara de Direito Criminal do Tribunal de Justiça negou, na manhã desta terça-feira, 3, por votação unânime, o recurso dos advogados de Alexandre Alves Nardoni e Anna Carolina Jatobá para anular o júri do casal, condenado em março do ano passado pela morte de Isabella Nardoni. O julgamento de hoje é o último recurso em andamento na Justiça Estadual.

 

Apesar disso, a Justiça deu parcial provimento à redução de pena de Alexandre, que deverá cumprir cerca de um ano a menos da pena (de 31 anos, 1 mês e 10 dias para 30 anos, dois meses e 20 dias). Segundo o relator, desembargador Luis Soares de Mello Neto, "não se está dando benefício ao réu, mas correção em ligeiro equívoco de cálculo da pena inicial".

 

Anna Jatobá, madrasta de Isabela, foi condenada a 26 anos e 8 meses de prisão pela morte da menina, em 29 de março de 2008. A pena dela foi mantida pela Justiça.

 

O casal foi condenado por homicídio triplamente qualificado e fraude processual. A menina tinha 5 anos quando foi encontrada morta no terraço do Edifício London. Ela foi jogada da janela do sexto andar do prédio. O casal está na Penitenciária de Tremembé, no interior de São Paulo. Alexandre e Anna negam o crime.

Mais conteúdo sobre:
caso Isabella

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.