Werther Santana/AE-20/07/2010
Werther Santana/AE-20/07/2010

Justiça mantém prisão de advogado acusado de matar Mércia Nakashima

Vítima desapareceu em Maio de 2010 e foi encontrada morta em uma represa de Nazaré Paulista

estadão.com.br,

07 Dezembro 2011 | 09h11

SÃO PAULO - A Sexta Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) manteve na terça-feira, 6, o decreto de prisão preventiva contra o ex-policial militar e advogado Mizael Bispo de Souza, acusado de assassinar a ex-namorada, a advogada Mércia Mikie Nakashima.

De acordo com a decisão do STJ, o processo deve continuar tramitando em Guarulhos, na Grande São Paulo. A Sexta Turma negou provimento ao recurso da defesa que pretendia que o ex-PM fosse julgado pela Justiça de Nazaré Paulista, onde Mércia foi encontrada morta.

No julgamento do STJ prevaleceu o argumento do Ministério Público de que foi um crime plurilocal, pois existiam vestígios em Guarulhos, onde a vítima foi arrebatada, repercussão social também naquele município, e porque as pessoas envolvidas são todas da cidade.

Ainda aguarda julgamento outro recurso interposto por Mizael junto ao Tribunal de Justiça de São Paulo, para que ele e o outro acusado do crime, o vigia Evandro Bezerra da Silva, sejam levados a júri popular. Ambos estão foragidos.

Caso. A advogada Mércia Nakashima desapareceu em 23 de maio de 2010, e foi encontrada morta em uma represa de Nazaré Paulista. Ela sumiu após sair da casa dos avós.

No dia 10 de junho, um pescador levou a família e a polícia até a represa onde o carro dela estava submerso. No dia seguinte, o corpo em avançado estado de decomposição foi encontrado. O laudo do Instituto Médico-Legal (IML) apontou que ela morreu por afogamento.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.