Justiça manda fechar principal entrada da Igreja Mundial no Brás

A Justiça de São Paulo determinou ontem o fechamento da entrada principal da Igreja Mundial do Reino de Deus no Brás, na região central de São Paulo. O acesso pela Rua Carneiro Leão, que fica na frente de um condomínio onde moram cerca de 2 mil pessoas, será lacrado. As entradas pelas Ruas Visconde de Parnaíba e Caetano Pinto só poderão funcionar por mais 90 dias. Depois, o templo deve ser fechado para obras solicitadas pela juíza Maria Gabriella Pavlópoulos Spaolonzi, da 13.ª Vara da Fazenda Pública.

Diego Zanchetta, O Estado de S.Paulo

26 de maio de 2011 | 00h00

O templo, que reúne até 15 mil pessoas em cultos nas manhãs de domingo, havia sido reaberto por determinação da mesma juíza em 14 de dezembro. Agora, ela argumenta em sua sentença que as obras solicitadas no templo e o limite para a presença de 8 mil pessoas não foram cumpridos. A igreja também não faz nada para coibir o comércio ilegal no entorno, segundo a juíza. Procurados ontem, representantes da Mundial não quiseram comentar a sentença.

Outra determinação da juíza foi para que nenhum culto tenha início antes das 9h. A sentença foi emitida após o Ministério Público enviar parecer à Justiça no qual diz que o templo emite "ruídos insuportáveis" aos vizinhos, que chegaram a registrar em vídeos e fotos a lotação e a falta de saídas de emergência, como revelou o Estado no ano passado. "Só esperamos que agora essa decisão não seja revertida", afirmou ontem Carlos Armando Botinni, engenheiro de 52 anos e vizinho da igreja.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.