André Bueno/CMSP/Divulgação
André Bueno/CMSP/Divulgação

Justiça Eleitoral cassa mandato do vereador Camilo Cristófaro em SP

Parlamentar foi acusado de receber doação ilegal durante campanha; Justiça entendeu que suposta doadora não teria condições de financiar o político

Bruno Ribeiro e Fabio Leite, O Estado de S. Paulo

07 de junho de 2018 | 19h07

SÃO PAULO - A Justiça Eleitoral cassou o mandato do vereador Camilo Cristófaro (PSB) por captação ilícita de recursos para sua campanha eleitoral. O vereador afirmou que irá ingressar com um pedido de efeito suspensivo contra a decisão.

Segundo apuração do Ministério Público Eleitoral, o parlamentar recebeu R$ 6 mil de doações para sua campanha “proveniente de pessoa física (Ana Maria Camparini Silva) sem capacidade econômica para realizá-la”. O valor corresponde a cerca de 14% dos valores totais declarados de sua campanha, que foram de R$ 42 mil.

Ao apurar a prestação de contas do vereador, o MPE obteve a quebra de sigilo fiscal da doadora. Segundo o relato da decisão judicial,  “observou-se que a doadora não possuía renda suficiente para despender o valor doado (não declarou à Receita Federal no ano de 2015 bens e rendimentos e, presumindo-se que era isenta somente poderia doar o valor equivalente a R$ 2,5 mil), além de estar registrada como desempregada no cadastro geral de empregados e desempregados (CAGED), o que torna duvidosa a origem do valor doado”.

O juiz Francisco Carlos Inouye Filho, que cassou o diploma de Cristófaro, considerou que o vereador não apresentou justificativas satisfatórias para explicar a doação.

Ao todo, a doadora fez doações que somam R$ 395,5 mil a candidatos a vereador e a prefeitos da região metropolitana.

“A irregularidade além de ter sido reconhecida como plausível para a desaprovação das contas (apesar de ter sido interposto recurso que ainda não foi julgado pelo TRE-SP) também configura captação ilícita de recursos, pois foi demonstrado que se a doadora não tinha capacidade econômica para doar, fica configurado o ‘caixa-dois’  de campanha caracterizado nesse caso pela falsa escrituração na contabilidade oficial da campanha eleitoral diante dos indícios demonstrados pela inscrição da doadora em cadastro de desempregados, bem como para o recebimento de casa popular”, diz trecho da decisão.

Cristófaro é um dos vereadores mais polêmicos do Legislativo municipal. Já foi acusado de agressão pelo vereador George Hato (MDB) e pela vereadora suplente Isa Penna (PSOL) -- ele nega os dois casos. O parlamentar é famoso pelos vídeos que posta nas redes sociais criticando radares de trânsito e os serviços de zeladoria urbana.

A Câmara aguarda a publicação da sentença, que tem efeito imediato a partir da notificação oficial da Câmara e do próprio Cristófaro. A decisão é datada do último dia 28 de maio.

Ao Estado, o parlamentar afirmou que entrará com recurso. “Fui cassado por R$ 6 mil. Estou com efeito suspensivo, já. Isso aí vai para o TRE e o TRE vai decidir, TSE (Tribunal Superior Eleitoral) vai decidir. Isso aí é ridículo”, disse.“Não tenho nem o que falar. Eu gastei na minha campanha R$ 42 mil. Dá 14%, esse é o problema, 14%. R$ 6 mil correspondem a 14%. É o que o juiz bate. Se fosse até 8%, 10%, eles lixam. 14, de nada, é nada. É R$ 6 mil. Efeito suspensivo. Isso aí, em primeira instância, quantos milhares já não viu acontecer isso? Não vou nem falar nada”, completou.  

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.