Justiça determina que ex-ator pornô seja reintegrado à Polícia Civil

Homem que participou de filme erótico não havia passado no estágio probatório sob argumento de que conduta não era adequada

Luciano Bottini Filho, O Estado de S. Paulo

06 Fevereiro 2014 | 18h42

SÃO PAULO - Protagonista do filme A Musa da Borracharia, um ex-ator que não passou no estágio probatório (período de experiência após a contratação) da Polícia Civil, sob o argumento de que sua conduta não era adequada ao cargo, foi reintegrado à instituição. Na ocasião, seu comportamento não foi considerado compatível com a função por causa de sua participação no filme. A decisão foi dada na quarta-feira, 5, pelo Órgão Especial Tribunal de Justiça de São Paulo.

O investigador de polícia José Roberto Nunes Júnior alegou que sua participação em um único filme pornográfico, anos antes de ingressar nos quadros da Polícia Civil, não macula a imagem da instituição. Segundo ele, seu aproveitamento nas avaliações internas foi considerado ótimo.

"Reavaliar o comportamento do servidor por ter participado de gravação de filme erótico muito antes de se tornar policial também afronta o princípio da razoabilidade e da impessoalidade, pois nada indica que lhe falte aptidão para assumir os encargos de um policial", afirmou o relator da ação, desembargador Sérgio Jacintho Guerrieri Rezende.

Mais conteúdo sobre:
pornô filme ator Justiça São Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.