Justiça determina que acusado de matar Eloá vá a júri popular

Com a determinação, todo o trabalho feito pela Justiça paulista teve de ser refeito

Marcela Bourroul Gonsalves, estadão.com.br

29 de agosto de 2011 | 17h00

SÃO PAULO - A Justiça de Santo André decidiu que Lindemberg Alves Fernandes, acusado de matar Eloá Pimentel e manter outros três adolescentes reféns em outubro de 2008, deve ir a júri popular. O sequestro durou cerca de cem horas e, ao final, Eloá foi morta com dois tiros. Uma outra adolescente também ficou ferida. A decisão foi divulgada pelo Tribunal de Justiça de São Paulo nesta segunda-feira, 29.

O júri já estava marcado para ocorrer em fevereiro deste ano, mas uma decisão do Superior Tribunal de Justiça (STJ), de novembro de 2010, anulou a fase de instrução e o processo teve que voltar à fase inicial. Com a determinação, todo o trabalho feito pela Justiça paulista teve de ser refeito.

Desde então, foram ouvidas cinco testemunhas de acusação e onze de defesa, e Lindemberg foi submetido a novo interrogatório. O réu, porém, não quis se pronunciar no depoimento no Fórum de Tremembé, em junho deste ano.

Em sua decisão, a juíza responsável pelo caso recomendou que Lindemberg seja mantido na prisão onde atualmente se encontra. O julgamento ainda não tem data determinada e cabe recurso da decisão.

Tudo o que sabemos sobre:
Eloá PimentelLindembergjúri

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.