Tiago Queiroz/Estadão
Tiago Queiroz/Estadão

Justiça determina perícia sobre negociação do Parque Augusta

Medida servirá para avaliar se as medidas exigidas das construtoras estão a contento pelo valor que a Prefeitura receberá

Bruno Ribeiro, O Estado de S.Paulo

02 de agosto de 2017 | 18h06
Atualizado 02 de agosto de 2017 | 21h10

SÃO PAULO - O Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP) anunciou nesta quarta-feira, 2, que encomendará uma perícia externa para avaliar os valores envolvidos na negociação entre a gestão João Doria (PSDB) e as Construtoras Setin e Cyrela para viabilizar a criação do Parque Augusta, no centro da capital paulista. A determinação, que já era aguardada pelos envolvidos, foi decidida em uma audiência de conciliação realizada na tarde desta quarta. 

A audiência foi conduzida pela juíza Maria Gabriela Pavlópoulos Spaolonzi, da 13.ª Vara da Fazenda Pública, e contou com a presença de representantes das construtoras, da Procuradoria-Geral do Município e dos promotores José Carlos Blat, Silvio Marques e Valter Santin, da Promotoria do Patrimônio Público e Social do Ministério Público Estadual (MPE). Todas as partes ficaram de apresentar, em prazos a partir de dez dias, laudos com suas respectivas análises da negociação. A perícia judicial não deve sair antes de 45 dias. 

No termo da audiência, a juíza afirmou que “restou comprovada a transparência até agora mantida em todos os diálogos” da negociação – fala comemorada pela Prefeitura, que vem recebendo críticas sobre eventuais vantagens que o acordo poderia trazer às construtoras. 

“Em hipótese nenhuma a Prefeitura ficará em desvantagem nesse acordo. Até porque tudo o que está sendo construído, em parceria com os empresários, em parceria com o Ministério Público, será homologado e encaminhado ao juiz da causa, que, corretamente, tomou o cuidado de indicar um perito, justamente para que faça a apuração desses dois valores”, disse o secretário de Justiça, Anderson Pomini, por meio da Secretaria de Comunicação da Prefeitura.

Termos. A gestão Doria acordou com as duas construtoras que, se elas abrirem mão do terreno na Rua Augusta, entre as Ruas Caio Prado e Marques de Paranaguá, que mantém área verde intacta, e abrirem ali um parque, terão direito a 18 mil metros quadrados de um terreno da Prefeitura na Rua do Sumidouro, em Pinheiros, zona oeste, onde hoje funciona a Prefeitura Regional do bairro e uma base da Companhia de Engenharia de Tráfego (CET). 

Em contrapartida, terão de administrar o novo espaço, o Parque Victor Civita, também em Pinheiros, e a Praça Roosevelt, no centro, por um prazo de dois anos. Terão também de construir novas sedes para a Prefeitura Regional e para a CET, que ocupam hoje o terreno, além de fazer uma creche e um centro para atendimento de dependentes químicos com 250 vagas na mesma região.

Na sexta, a Prefeitura, as construtoras e o MPE devem marcar a assinatura de um protocolo de intenções, determinando as regras da negociação. Ele só deverá valer, entretanto, após o parecer final da juíza, que terá como base o laudo pedido nesta quarta.

Essa análise servirá para avaliar se as medidas exigidas das construtoras estão a contento diante do valor do terreno que receberão da Prefeitura. “Além da negociação, é preciso avaliar que as empresas foram multadas em R$ 300 mil por crimes ambientais no ano passado”, disse o advogado Luiz Guilherme Ferreira, defensor do movimento Organismo Parque Augusta, que defende o acordo do Município com as empresas. 

Entre os representantes das construtoras presentes na audiência estava o empresário Antonio Setim, que comanda a construtora que leva seu sobrenome. Procurado, ele não quis falar com a imprensa.

Ministério Público. Os três promotores que atuam no caso também não quiseram comentar a ação, que está em andamento. Eles esperam, entretanto, que a soma das contrapartidas exigidas das construtoras, que têm um teto estabelecido em R$ 30 milhões, não inclua as obras do Parque Augusta em si, mas apenas os demais serviços propostos às empresas. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.