Justiça decreta prisão de ex-namorado de advogada morta

Defesa de Mizael Bispo de Souza afirma que o principal suspeito de matar Mércia Nakashima não vai se apresentar

, O Estado de S.Paulo

11 de julho de 2010 | 00h00

A Justiça de Guarulhos, na região metropolitana de São Paulo, decretou ontem a prisão temporária por 30 dias do ex-namorado da advogada Mércia Mikie Nakashima, o advogado e ex-policial militar Mizael Bispo de Souza, de 40 anos, principal suspeito do assassinato de Mércia. O pedido de prisão foi feito pela Polícia Civil de São Paulo depois de ouvir o vigilante Evandro Bezerra Silva, suposto envolvido no crime, preso na madrugada de anteontem em Sergipe. Ontem à noite, Souza era considerado foragido pela polícia.

Mércia desapareceu em 23 de maio e seu corpo foi encontrado numa represa em Nazaré Paulista (SP), em 11 de junho. Até o início da tarde de ontem, Souza não havia se entregado à polícia para cumprir a prisão temporária.

Segundo o delegado paulista Antônio de Olim, que comanda as investigações, a prisão de Souza foi pedida depois de um novo depoimento do vigilante, na madrugada de ontem, em Sergipe - no anterior, concedido à polícia sergipana anteontem, o vigilante teria negado participação no crime e dito que "nada sabia" sobre a morte da advogada. "Mas agora ele abriu o jogo comigo e deu declarações contundentes, confirmando que foi Mizael quem matou Mércia", disse Olim. "A informação corrobora as investigações, que mostram que ele (Souza) era ciumento e possessivo, e que foi acumulando ódio até explodir." Na manhã de ontem, policiais procuraram Souza em sua casa, em Guarulhos, mas ele não foi encontrado.

Arbitrária. Segundo o advogado de defesa de Souza, Samir Haddad Junior, o ex-policial militar não vai se apresentar para cumprir a prisão temporária decretada pela Justiça. "É uma prisão arbitrária e ilegal, decretada com base num depoimento realizado no interior de Sergipe, na calada da noite, que obviamente é contraditório. Ele não vai se apresentar", disse o advogado. "Ele não estava fugindo, tem residência fixa e não atrapalhou em nada as investigações. Não há fundamento algum para que fique preso. Na segunda-feira, vamos pedir revogação da prisão."

Os familiares de Mércia, que realizaram ontem uma missa em memória da advogada, receberam a notícia "com alívio", segundo o advogado dos familiares, Alexandre de Sá. "Era esperado. Agora, estamos na expectativa que ele se entregue para que o processo tenha seu curso e a culpa seja comprovada", disse o advogado. /VITOR HUGO BRANDALISE

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.