Justiça decreta prisão de 2 advogados de Marcinho VP

Eles são acusados de passar ordens do cliente preso a criminosos na rua; mulher de traficante também foi para cadeia

Talita Figueiredo / RIO, O Estado de S.Paulo

27 de novembro de 2010 | 00h00

Sob a suspeita de transmitirem ordens que originaram os ataques a policiais e veículos no Rio dos últimos dias, advogados do traficante Márcio dos Santos Nepomuceno, o Marcinho VP, um dos chefes da facção criminosa Comando Vermelho (CV), tiveram a prisão preventiva decretada ontem pelo juiz Alexandre Abrahão Dias Teixeira, da 1.ª Vara Criminal de Bangu (zona oeste do Rio). De acordo com a Justiça, gravações telefônicas comprovam a participação dos advogados Beatriz da Silva Costa, Flávia Pinheiro Fróes e Luiz Fernando Costa no repasse das informações a criminosos.

Ontem à noite, a Polícia Civil prendeu Márcia Gama Nepomuceno, mulher de Marcinho VP. Em outro processo, ela é acusada de lavagem de dinheiro. A Justiça determinou o bloqueio de todos os bens da família.

VP e Elias Pereira da Silva, o Elias Maluco, foram transferidos na quarta-feira do presídio federal de Catanduvas (PR) para Porto Velho (RO). No mesmo dia, oito traficantes do Rio saíram de Bangu (na zona oeste da cidade) rumo a Catanduvas: Willian Rodrigues Vieira, o Robocop; Márcio Aurélio Martinez Martelo, o Bolado; Antonio Jorge Gonçalves dos Santos, o Tony Senhor da Armas; Wanderson da Silva Brito, o Paquito; Roberto Célio Lopes, o Robertinho do Vigário; Marcelo Tavares da Silva, o Marcelo Abóbora; Claudio Henrique Mendes dos Santos, o Chuca; e Mauri Alves Ribeiro Filho, o Cocó. Ontem, nove presos acusados de atear fogo em veículos foram levados também para o Paraná. A transferência é fruto de parceria das Justiças dos governos estadual e federal.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.