Arquivo Pessoal/Reprodução
Arquivo Pessoal/Reprodução

Justiça decide manter Champinha internado

Roberto Aparecido Alves Cardoso, hoje com 28 anos, cumpriu três anos de internação psiquiátrica em uma unidade especial por ter torturado e matado um casal de namorados em 2003

Victor Vieira, O Estado de S. Paulo

28 Maio 2015 | 20h44

Atualizada às 21h17

EMBU-GUAÇU - A Justiça de São Paulo decidiu nesta quinta-feira, 28, manter internado Roberto Aparecido Alves Cardoso, mais conhecido como Champinha. Acusado de torturar e assassinar um casal em 2003, quando tinha 16 anos, Champinha cumpriu três anos de internação psiquiátrica em uma unidade especial, mas não foi liberado após o fim da medida.  

A decisão é do juiz Willi Lucarelli, do Foro Distrital de Embu-Guaçu, região metropolitana de São Paulo, área onde ocorreu o crime. Champinha está em uma Unidade Experimental de Saúde na Vila Maria, zona norte da capital. O equipamento, criado pelo governo paulista para atender adolescentes com transtornos psicológicos graves, funciona sob responsabilidade da Secretaria Estadual de Saúde. 

Champinha foi condenado por torturar e matar o casal de namorados Felipe Caffé, de 19 anos, e Liana Friedenbach, de 16, que foram rendidos enquanto acampavam na zona rural de Embu-Guaçu. Inicialmente ele foi encaminhado à Febem, hoje Fundação Casa, onde ficou o período máximo de internação para adolescentes. Em 2007, foi transferido para a unidade experimental de saúde. 

A proposta da Defensoria Pública é de que ele pudesse continuar o tratamento em liberdade. Além de Champinha, hoje com 28 anos, o juiz ouviu nesta quinta-feira o Ministério Público, a Defensoria Pública, psicólogos e assistentes sociais, da Secretaria Estadual e do Ministério da Saúde, que acompanharam ou avaliaram o caso. 

A audiência, que teve debates acirrados, começou por volta das 14 horas e terminou quase às 20 horas. Em três meses, nova audiência será realizada. Nesse período, Champinha passará por avaliações psiquiátricas de outras equipes.

Primeiro a ser ouvido na audiência, Champinha deixou o foro em uma van da Justiça, com forte escolta policial, sem falar com a imprensa, por volta das 15 horas. Se fosse solto, a expectativa é de que ele entrasse em um novo programa de supervisão psiquiátrica e talvez mudasse de cidade. 

A promotora Maria Gabriela Prado Manssur, que acompanha o caso desde o começo, disse que, por enquanto, não há condições de que ele volte ao convívio social. "Pela patologia que ele possui, que é um retardo mental leve e um comportamento sociopata, ele pode colocar em risco a sociedade", afirmou. 

Segundo Maria Gabriela, uma preocupação apontada pela defesa é sobre a falta de oportunidades de cursos ou trabalho na unidade experimental. A promotoria disse que ele tem "direito de acesso a trabalho e educação", desde que siga internado.

O magistrado e a Defensoria não se pronunciaram sobre a decisão. A liberação de Champinha já havia sido negada pelo Supremo Tribunal Federal, pelo Superior Tribunal de Justiça e pelo Tribunal de Justiça de São Paulo. 

Mais conteúdo sobre:
São PauloChampinha

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.