Werther Santana/AE
Werther Santana/AE

Justiça de SP absolve PMs acusados de matar publicitário

Crime ocorreu em 2012; trio alegou, na época, que atirou na vítima por confundir um celular que ele usava com uma arma

O Estado de S. Paulo

28 Outubro 2016 | 23h09

O Tribunal do Júri de São Paulo absolveu nesta sexta-feira, 28, os três policiais militares acusados de matar o publicitário Ricardo Prudente de Aquino, em julho de 2012. O crime aconteceu em Pinheiros, zona oeste da capital, e na época o trio alegou que atirou na vítima por confundir um celular que ele usava com uma arma. Câmeras de segurança gravaram a perseguição ao carro e a perícia do Instituto Médico-Legal (IML) mostrou que o motorista estava embriagado.

Em outubro do ano seguinte, a Polícia Militar determinou a expulsão dos três acusados. O entendimento da corporação foi o de que os PMs erraram na abordagem. Nesta sexta, após quatro dias de julgamento, o Conselho de Sentença decidiu, por maioria de votos, absolver os réus da acusação de homicídio duplamente qualificado. 

Um deles, porém, foi condenado por fraude processual. Nesse caso, o juiz Luis Gustavo Esteves Ferreira, da 5.ª Vara do Júri, fixou a pena de seis meses de detenção e 20 dias-multa no piso unitário mínimo legal, a ser cumprido em regime inicial aberto, substituindo a pena privativa de liberdade por pena restritiva de direitos - ou seja, prestação de serviços à comunidade.

A Promotoria defendeu no julgamento que os acusados tinham intenção de matar - e tentaram forjar provas para escapar da condenação. O Ministério Público vai recorrer da sentença.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.