Justiça de Catanduva liberta dois suspeitos de pedofilia

Juíza alegou 'isonomia', já que na quarta o TJ-SP derrubou o pedido de prisão de dois suspeitos foragidos

Agência Brasil,

19 Março 2009 | 23h40

Catanduva (SP) - Dois suspeitos de abusar de crianças em Catanduva (SP) ouvidos hoje (19) pelos senadores da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Pedofilia foram libertados nesta tarde. A juíza da Vara da Infância de Juventude de Catanduva, Sueli Juarez Alonso, determinou que os suspeitos fossem liberados, minutos depois dos depoimentos prestados à CPI.

 

Veja também:

linkCPI da Pedofilia encerra trabalhos em Catanduva

linkChegada de suspeitos à CPI causa tumulto em Catanduva

linkCPI da Pedofilia quer audiência com Serra e Tarso

linkCPI vai pedir investigação sobre erro de delegada de Catanduva

link Dois suspeitos têm pedido de prisão derrubado

lista Como denunciar a pedofilia e proteger seus filhos na web 

documento A cartilha do governo para prevenção da exploração 

lista Todas as notícias sobre pedofilia   

 

Segundo informações da assessoria da juíza, ela libertou os suspeitos argumentando isonomia. De acordo com o entendimento dela, como o Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo (TJ-SP) derrubou ontem (18) o pedido de prisão de outros dois suspeitos de pedofilia que estavam foragidos, não fazia sentido que os suspeitos presos temporariamente em Catanduva ficassem detidos.

 

O TJ-SP entendeu que a prisão temporária solicitada pela juíza Sueli não era cabível, já que os suspeitos não estavam atrapalhando a investigação policial em curso.

 

Pouco antes, os dois suspeitos haviam alegado inocência aos senadores da CPI. Eles foram os primeiros suspeitos a depor na segunda sessão da audiência pública da CPI em Catanduva.

 

Os dois disseram aos senadores que foram envolvidos no caso devido a uma confusão com uma foto publicada em um site de relacionamento. Segundo o presidente da CPI, senador Magno Malta (PR-ES), os dois haviam sido reconhecidos por três das cerca de 40 vítimas.

 

Ambos afirmaram que conhecem o outro suspeito, que publicou a foto na internet, pois trabalharam juntos anos atrás. A foto, segundo eles, foi tirada em uma confraternização da empresa em que trabalhavam.

Mais conteúdo sobre:
pedofiliaCatanduva

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.