Justiça concede prisão especial a Mizael

A Justiça determinou ontem que Mizael Bispo de Souza, acusado de matar a advogada Mércia Nakashima, seja recolhido em uma sala do Estado-Maior ou, caso isso não seja possível, fique em prisão domiciliar. O benefício foi concedido porque Souza é advogado. O Estado tem até sete dias para cumprir a determinação judicial. Até a noite de ontem, ele seguia detido no Presídio Militar Romão Gomes. A PM já afirmou que, embora não tenha mais uma sala de Estado-Maior, encontrará um local adequado para abrigar o acusado. A defesa vai brigar pela prisão domiciliar.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.