Justiça concede liminar impedindo fechamento do Higienópolis

Juiz considerou que shopping tem número suficiente de vagas de estacionamento

19 Julho 2012 | 08h38

São Paulo, 19 - A Justiça de São Paulo emitiu liminar na quarta-feira, 18, impedindo a interdição do Shopping Pátio Higienópolis, na região central da capital. Com o alvará de funcionamento cassado desde o dia 4, por não oferecer o número mínimo de vagas de estacionamento exigido pela Prefeitura, o centro comercial seria fechado no dia 27.

Em sua decisão, o Juiz Emílio Migliano Neto, da 7ª Vara de Fazenda Pública de São Paulo, afirma que o shopping "está estabelecido no local há vários anos" e que "se revela temerária a alteração do status quo repentinamente". O magistrado acatou o argumento do shopping, segundo o qual a interdição causaria "danos de difícil reparação" aos 350 lojistas e aos funcionários que trabalham no local.

A Prefeitura exigia que o shopping tivesse 1.994 vagas, mas os quatro andares de estacionamento comportam, no máximo, 1.524, conforme o projeto original. Ele teria então que comprovar a existência de outras 470 vagas em garagens externas conveniadas.

O Higienópolis argumentou que as 1.994 vagas seriam necessárias apenas quando a ampliação da unidade estivesse finalizada e que, com o tamanho atual, precisaria de apenas 1.428 vagas. De acordo com a liminar, um fiscal da prefeitura atestou que existem 1.446 locais demarcados, número aceito pelo juiz.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.