Justiça autoriza uso de tornozeleiras em presos de Araraquara

Decisão anterior proibia o monitoramento eletrônico dos detentos. Veto continua em outras cidades do Estado

Fábio Mazzitelli, O Estado de S.Paulo

27 de abril de 2011 | 00h00

O desembargador Damião Cogan, da 5.ª Câmara de Direito Criminal do Tribunal de Justiça de São Paulo, concedeu liminar liberando o uso da tornozeleira eletrônica em detentos em regime semiaberto de Araraquara, interior paulista, com permissão de saída para trabalho externo.

A liminar foi obtida pelo Ministério Público Estadual no início do mês e reverte, ainda que de forma provisória, uma das decisões judiciais de primeira instância que vetaram o monitoramento eletrônico em detentos que saem durante o dia para atividades de trabalho ou estudo.

Autor do recurso aceito pelo tribunal, o promotor das Execuções Criminais de Araraquara, Herivelto de Almeida, alegou que o uso do equipamento evita distorções que hoje ocorrem nas saídas para trabalho externo, como um caso em que detentos do litoral sul foram à praia em vez de se apresentar para a atividade de ressocialização.

"É uma questão de segurança coletiva", afirma o promotor Herivelto de Almeida. "O monitoramento eletrônico garante o direito do detento de trabalhar e também garante o direito do Estado, que detém a custódia dele", diz.

Desde o início do uso das tornozeleiras, no fim do ano passado, uma série de decisões judiciais limita o uso do equipamento em várias cidades do interior do Estado. O principal argumento dos juízes nessas decisões é que a tornozeleira só poderia ser usada em prisão domiciliar e saídas temporárias, como as que ocorrem em feriados santos ou Dia das Mães.

Na interpretação da Promotoria, entretanto, o trabalho externo é uma forma de saída temporária, o que também abre caminho para o uso da tornozeleira nesses casos.

Os críticos desse tipo de uso também dizem que o equipamento pode causar constrangimento para o detento na retomada do contato social. "O objetivo não é expor a pessoa. Uma calça esconde facilmente a tornozeleira", diz o promotor Almeida.

Atualmente, em razão das decisões contrárias de juízes, só parte das 4,8 mil tornozeleiras à disposição da Secretaria de Administração Penitenciária está sendo usada.

PARA LEMBRAR

Pelo último balanço divulgado pela Secretaria de Administração Penitenciária de São Paulo, referente a saídas temporárias antecipadas do feriado de Páscoa, o uso da tornozeleira eletrônica reduziu o número de presos que não voltaram às unidades prisionais do Estado: dos 9.283 detentos beneficiados por saída temporária, 5,3% não voltaram, índice que ficou em 3% no grupo de 103 presos monitorados. No fim de 2010, o índice de fuga entre os que usaram o equipamento foi de 1,3%, contra 7,1% dos demais. Os dados da saída temporária de Páscoa ainda não foram finalizados. O uso da tornozeleira eletrônica no Brasil foi liberado pela Lei Federal 12.258, do ano passado.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.