Justiça autoriza goleiro Bruno a treinar na prisão

Afastado dos campos desde julho do ano passado, o goleiro Bruno Fernandes, acusado do assassinato de sua ex-amante Eliza Samudio, de 25 anos, vai voltar a treinar futebol. Ele está atualmente preso na Penitenciária Nelson Hungria, que fica em Contagem, na região metropolitana de Belo Horizonte (Minas), mas conseguiu uma autorização para voltar à atividade mesmo na prisão, com o uso de equipamentos.

Marcelo Portela, O Estado de S.Paulo

23 Fevereiro 2011 | 00h00

A Vara de Execuções Criminais (VEC) do Fórum de Contagem acatou pedido da defesa do goleiro, que atuava pelo Flamengo. A questão da segurança foi analisada pela Subsecretaria de Administração Prisional (Suapi), que permitiu ao atleta usar meião, caneleira e bola durante os banhos de sol.

Júri. Bruno foi preso em julho do ano passado, acusado de envolvimento no sequestro e assassinato de Eliza. No fim do ano, a juíza Marixa Fabiane Lopes determinou que ele seja julgado por júri popular. O jogador nega o crime.

Além do goleiro, também serão julgados pelo crime o braço direito do atleta, Luiz Henrique Ferreira Romão, o Macarrão, Sérgio Rosa Sales, que é primo de Bruno, e o ex-policial civil Marcos Aparecido dos Santos, o Bola, acusado de ter executado a vítima. Outros quatro acusados, que estão em liberdade, vão responder processo por sequestro e cárcere privado.

O jogador sempre negou o crime e disse várias vezes que pretende voltar a jogar bola ao deixar a prisão.

CRONOLOGIA

Junho

A polícia recebe queixa do sumiço de Eliza Samudio. Ela havia recebido convite de Bruno para ir a Minas discutir a paternidade do filho.

Julho

Bruno e mais 6 pessoas têm a prisão preventiva decretada.

Agosto

A Justiça aceita a denúncia.

Dezembro

Bruno é condenado a 4 anos de prisão por sequestro, em 2009. O processo foi aberto após a denúncia de que o jogador teria forçado Eliza a ingerir substâncias abortivas. Bruno ainda vai a júri por homicídio.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.