Justiça adia julgamento sobre indenização de Geisy Arruda em SP

Relatora do processo tirou julgamento da pauta após advogados apresentarem novas informações

Priscila Trindade, do estadão.com.br,

30 de janeiro de 2012 | 15h02

SÃO PAULO - A Justiça de São Paulo adiou o julgamento dos recursos no processo em que a ex-aluna Geisy Arruda move contra a Universidade Bandeirante (Uniban). A sessão estava marcada para a manhã desta segunda-feira, 30.

Segundo a Justiça, a relatora do processo retirou o julgamento da pauta após a sustentação oral dos advogados de defesa e da Uniban. Os dois apresentaram informações que devem ser checadas e o processo voltará a ser analisado. Ainda não há data definida para que a sessão ocorra.

A Uniban foi condenada em 2010 a pagar R$ 40 mil pelo episódio e recorreu da sentença. A defesa da ex-aluna, que pediu R$ 1 milhão de indenização por danos morais, considerou baixo o valor fixado pela Justiça e também recorreu da decisão.

O caso. Estudante do curso de Turismo, Geisy foi hostilizada em outubro de 2009 por alunos no câmpus de São Bernardo do Campo por usar um vestido curto. O episódio foi gravado por alunos e ganhou repercussão na internet após as imagens serem divulgadas no Youtube. O tumulto começou quando a aluna subia por uma rampa até o terceiro andar e os alunos começaram a gritar. Ela ficou trancada em uma sala até a chegada da polícia.

Geisy foi expulsa da Uniban, sob alegação de desrespeito à moralidade e à dignidade acadêmica. Os advogados de Geisy afirmam que houve falha na prestação de serviço e que os direitos da estudante, como consumidora, foram violados, por causa das agressões verbais e da ameaça à segurança pessoal dela. A Uniban alegou que Geisy teria planejado o episódio para adquirir notoriedade e conseguir vantagens.

Mais conteúdo sobre:
Geisy Arruda

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.