Justiça aceita denúncia contra sete no caso Abadía

Dois delegados e cinco investigadores da Polícia Civil de SP são acusados de extorsão e formação de quadrilha

Bruno Tavares e Marcelo Godoy, O Estado de S. Paulo,

25 de setembro de 2009 | 08h33

A 12 ª Vara Criminal aceitou a denúncia dos promotores do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) e abriu processo contra dois delegados e cinco investigadores da Polícia Civil de São Paulo sob as acusações de extorsão e formação de quadrilha. O grupo teria achacado integrantes da quadrilha do traficante colombiano Juan Carlos Ramirez Abadía.

 

Segundo a denúncia, policiais do Departamento Estadual de Investigações sobre Narcóticos (Denarc) detiveram Ana Maria Stein, mulher do empresário Daniel Maróstica, apontado pela PF como um dos amigos brasileiros de Abadía. Ana Maria estava com uma Toyota Prado que era usada pelo braço direito de Abadía, o traficante colombiano Henry Edval Lagos, o Patcho. Por causa disso, ela foi confundida com a mulher de Patcho e levada ao Denarc. Maróstica pediu ajuda a um amigo policial. Ficou acertado que ela seria liberada desde que o carro fosse vendido por Maróstica e o dinheiro entregue aos corruptos.

 

Segundo o Gaeco, para concluir a venda, Maróstica foi intimidado por policiais do Departamento Estadual de Trânsito (Detran), que seriam amigos dos homens do Denarc. Os mesmo policiais do Denarc são acusados ainda de sequestrar, extorquir e torturar o traficante Patcho, que pagou US$ 280 mil. Assustado com a violência dos policiais, Patcho deixou o Brasil. Insatisfeitos, segundo o Gaeco, com o que conseguiram com Patcho, os policiais resolveram deter Ana Maria.

 

Do Denarc foram denunciados o delegado Pedro Luiz Pórrio e os investigadores Hélio Basílio dos Santos, Francisco Carlos Vintecinco e Ricardo Amorelli; e, do Detran, foram acusados os investigadores Oswaldo Arildo Parra Junior e Severido Amâncio da Silva e o delegado Elmo Vieira Ferreira. Todos alegam inocência. Porrio nega o achaque e diz que determinou a libertação de Ana Maria.

Mais conteúdo sobre:
extorsãoAbadíaJustiça

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.