Justiça acata denúncia contra motorista que matou corredor na USP

Decisão inicia ação penal; réu responderá por homicídio de idoso e quatro tentativas de morte e tem 10 dias para apresentar defesa

Marco Antônio Carvalho, Especial para o Estado

04 Setembro 2014 | 14h32

SÃO PAULO - A 5ª Vara do Júri de São Paulo acatou a denúncia do Ministério Público Estadual (MPE) contra Luiz Antônio Conceição Machado, motorista que atropelou cinco corredores no interior da Cidade Universitária, no Butantã, na zona oeste da capital, matando um deles. Com a decisão, é iniciada a ação penal para apurar a acusação de homicídio com dolo eventual e quatro tentativas de homicídio. A ação poderá culminar com julgamento em júri popular. O réu tem 10 dias para apresentar defesa.

A denúncia havia sido oferecida pelo Ministério Público nesta semana acusando Machado de ter agido com dolo eventual (situação em que o agente não deseja matar, mas assume o risco do resultado do seu comportamento). No dia 16 de agosto, o motorista dirigia sob efeito de álcool quando atingiu e matou o corredor Álvaro Teno e deixou feridas outras quatro pessoas no interior da Cidade Universitária.

De forma resumida, o juiz Adilson Paukoski Simoni se manifestou pelo recebimento da denúncia por considerar que a acusação do MP descreve "suficientemente a ilicitude criminal". O promotor Rogério Leão Zagallo havia sustentado a irresponsabilidade do condutor. 

"A beberagem etílica a que se submeteu o denunciado fez com que ele perdesse a plenitude de sua capacidade psicomotora e, assim, passasse a conduzir o Toyota, modelo Corolla, de maneira tresloucada e irresponsável", descreveu Zagallo em acusação à Justiça.

Após ter sido preso temporariamente por suspeita de homicídio culposo, Machado teve a sua prisão convertida para preventiva pela Justiça e deve aguardar julgamento em reclusão.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.