Julgamento do casal Nardoni pode demorar até cinco dias

Sorteio dos jurados que formarão o conselho de sentença será a primeira etapa para a conclusão do caso Isabella

, O Estadao de S.Paulo

22 Março 2010 | 00h00

Caso todos os obstáculos sejam superados, o julgamento do casal Alexandre Nardoni e Anna Carolina Jatobá começará com o sorteio dos jurados. Sete pessoas serão escolhidas entre um grupo de 40 indivíduos pré-selecionados pela Justiça. Nesse grupo há 23 mulheres e 17 homens - 11 deles são estudantes ou profissionais da área de ensino. Defesa e acusação podem recusar, cada um, até três pessoas sorteadas.

Formado o conselho de sentença, os sete escolhidos prestam juramento. Defesa e acusação poderão pedir que o juiz examine pedidos para o adiamento do júri ou a supressão de provas. Em seguida, o juiz deve ler a acusação contra os réus.

O próximo passo será ouvir as testemunhas. Primeiro as de acusação (seis) e depois as da defesa (20) - três deles coincidem com as de acusação, daí o total de 23. A maioria é formada por policiais, peritos e médicos-legislas que aturam no caso. Por fim, os réus serão interrogados.

Concluída a fase dos depoimentos, será a vez dos debates entre a acusação e a defesa. Cada um terá o direito de falar por duas horas e meia. Se a promotoria quiser, poderá usar mais duas horas para réplica, o que automaticamente dará direito à defesa de usar o mesmo tempo para tréplica. Terminado o debate, os jurados serão questionados pelo juiz se têm condição de julgar o caso e se querem alguma explicação. Se o júri responder que sim, todos passarão à sala secreta e decidirão o destino do casal.

Em caso de condenação, dificilmente os réus terão o direito de recorrer em liberdade. Se forem absolvidos, o juiz Maurício Fossen terá de emitir um alvará de soltura ao término da sessão. Defesa e acusação calculam que o júri deve durar de quatro a cinco dias. / M.G.

CRONOLOGIA

O caminho até a sentença

29 de março de 2008

Crime

Isabella Nardoni, de 5 anos, morre ao cair do apartamento do pai e da madrasta. Em 3 de abril, Alexandre Nardoni e Anna Carolina Jatobá são presos temporariamente

11 de abril de 2008

Liberdade

Justiça concede habeas corpus e casal é libertado

30 de abril de 2008

Inquérito entregue

Inquérito policial é concluído. Polícia pede prisão preventiva do casal

7 de maio de 2008

Nova prisão decretada

Juiz Maurício Fossen decreta prisão do casal, que responde por homicídio doloso triplamente qualificado

16 de março de 2010

Suspensão negada

Justiça rejeita habeas corpus para suspender julgamento, que começa hoje

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.