Julgamento de acusados de matar jornalista começa nesta quinta

Luiz Carlos Barbon Filho foi autor das primeiras reportagens que mostraram, em 2003, o envolvimento de vereadores e de comerciantes de Porto Ferreira no aliciamento de menores

Diego Zanchetta, de O Estado de S. Paulo

24 Março 2010 | 20h37

O Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP) inicia nesta quinta-feira o júri popular para o julgamento dos cinco acusados de assassinar em maio de 2007 o jornalista Luiz Carlos Barbon Filho, de 37 anos. Autor das primeiras reportagens que mostraram em 2003 o envolvimento de vereadores e de comerciantes de Porto Ferreira, a 228 km da capital, no aliciamento de garotas menores de idade, o jornalista trabalhava no "Jornal do Porto."

 

Barbon foi executado com dois tiros de espingarda enquanto tomava cerveja com os amigos na calçada de um bar da cidade. Os réus são quatro policiais militares e um comerciante. Três deles estão presos desde 2008. Todos negam o crime.

 

As investigações que mostraram o envolvimento dos PMs na morte do jornalista foram realizadas pelo promotor Gaspar da Silva Júnior, do Grupo de Atuação Especial Regional de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) de Campinas. Os acusados irão responder por homicídio, tentativa de homicídio e formação de quadrilha.

 

O juiz do 5º Tribunal do Júri, Cassiano Ricardo Zorzi Rocha, que também presidiu em 2004 o julgamento do estudante Gil Rugai, vai comandar a sessão que terá início às 9h, no Fórum da Barra Funda, na zona oeste.

 

A mulher e o filho do jornalista, que entraram há dois anos no programa de proteção às testemunhas do governo federal, após receberem ameaças anônimas, também vão participar da sessão, que poderá se estender por mais de 24 horas. Os acusados presos são o soldado Valnei Bertone, que estava na garupa da moto e teria atirado contra Barbon; o soldado Paulo Cesar Ronceiro, que pilotava a moto; e o sargento Edson Luis Ronceiro, que teria recebido a arma após o crime. Ao todo, 30 testemunhas devem ser ouvidas pela acusação e pela defesa.

Mais conteúdo sobre:
SP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.