Juíza avisou TJ sobre ameaças, diz família

RIO

Bruno Boghossian, Pedro Dantas e Tiago Rogero, O Estado de S.Paulo

17 de agosto de 2011 | 00h00

O advogado contratado pela família da juíza Patrícia Acioli disse que documentos encontrados no gabinete da magistrada comprovam as ameaças de morte recebidas por ela nos últimos anos. De acordo com o criminalista Técio Lins e Silva, a juíza enviou diversos ofícios ao Tribunal de Justiça do Rio (TJ-RJ) para relatar os riscos que corria. Ela foi executada com 21 tiros na noite de quinta-feira em Niterói.

"As autoridades sabiam (das ameaças), a polícia sabia e a Divisão de Segurança do Tribunal de Justiça sabia. Tudo foi comunicado pela Patrícia ao longo dos anos", afirmou Lins e Silva. Os papéis foram entregues ontem à Divisão de Homicídios, que investiga o crime. A Corregedoria da Polícia Militar informou ontem que a juíza esteve na corporação uma semana antes de morrer, mas não falou sobre nenhuma ameaça de morte contra ela.

O advogado cita depoimento dado pela juíza à Corregedoria da PM e um documento com relatos sobre uma ameaça descoberta em interceptação telefônica da Polícia Federal. Segundo ele, "há ofícios dramáticos em que Patrícia pede providências" para sua segurança. O TJ alega que ela abriu mão da escolta em 2007.

Investigadores analisaram ontem imagens das câmeras do Fórum de São Gonçalo, onde Patrícia trabalhava. Dois homens em uma moto teriam esperado o carro dela sair da garagem e então seguido para sua casa.

 

Veja também:

link 5 dias após morte, CNJ adia proteção para juíza de PE

linkPara família, quadrilha a ser julgada cometeu crime

linkFOTOS: Parentes e amigos protestam contra morte

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.