Câmara Municipal de Iaras
Câmara Municipal de Iaras

Juiz analisa pedido de evacuação de área próxima à barragem em Iaras (SP)

Laudo indicou risco iminente de rompimento e MPF fez pedido emergencial. União e Incra devem se manifestar sobre o pedido antes de decisão

José Maria Tomazela, O Estado de S.Paulo

17 de julho de 2019 | 20h41
Atualizado 18 de julho de 2019 | 19h32

Correções: 18/07/2019 | 19h26

SOROCABA - O juiz federal Rodiney Roncada, da Vara Federal de Avaré, determinou nesta quarta-feira, 17, que os órgãos responsáveis pela barragem da represa Lagoa Rica, no assentamento Zumbi dos Palmares, em Iaras, interior de São Paulo, se manifestem em 72 horas sobre o pedido de remoção de moradores que vivem próximos à estrutura. 

O juiz determinou que o Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra), responsável pelo assentamento onde fica a represa, e a União, dona das terras, se pronunciem sobre as medidas a serem adotadas. A decisão foi dada em ação civil pública movida pelo Ministério Público Federal (MPF), após um laudo indicar que a barragem está sob risco iminente de rompimento. Na rota da água, que ocupa área equivalente à de 250 campos de futebol, estão famílias assentadas, plantações agrícolas e reservas ambientais.

Providências

A Advocacia Geral da União (AGU) informou que o Incra e a União ainda não foram notificados formalmente da decisão judicial e que irão se manifestar no prazo determinado pelo juiz.

O Incra, no entanto, informou que embora não tenha sido notificado da ação do MPF, está tomando as providências imediatas para o esvaziamento da barragem localizada no assentamento Zumbi dos Palmares. “Estão sendo destinados à regional R$ 261,5 mil para a contratação das obras de esvaziamento do reservatório”, informou em nota.

Correções
18/07/2019 | 19h26

Diferentemente do informado na versão anterior da reportagem, a Justiça não determinou a remoção imediata das famílias ameaçadas pelo rompimento da barragem. A Justiça Federal esclareceu, nesta quinta-feira, 18, que a 1ª Vara Federal de Avaré determinou que a União e o Instituto de Colonização e Reforma Agrária (Incra) se manifestem, no prazo de 72 horas, sobre o pedido de remoção. Somente após o recebimento das manifestações, o juiz federal Rodiner Roncada decidirá sobre o pedido liminar do Ministério Público Federal (MPF), que requer a retirada imediata dos moradores.

Notícias relacionadas

    Encontrou algum erro? Entre em contato

    O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.