Jovens somem após abordagem da PM em Guarulhos e ônibus é queimado

PM disse que apura as suspeitas e pede às pessoas que levem informações úteis à Corregedoria

Bruno Ribeiro e Bruno Paes Manso, do Estado de S. Paulo, e Gheisa Lessa, do estadão.com.br,

18 Julho 2012 | 02h58

SÃO PAULO - Moradores do bairro Presidente Dutra, em Guarulhos, na Região Metropolitana, fizeram dois protestos nesta terça-feira, 17, por causa do desaparecimento de dois jovens, que estão sumidos desde a quinta-feira da semana passada. Na última manifestação, ocorrida por volta das 17 horas, um ônibus foi queimado e um homem acabou detido pela polícia. Os rapazes desapareceram, segundo moradores, depois de uma abordagem da PM. Eles foram levados em uma viatura, mas nunca mais foram vistos nem foram apresentados em delegacia de Guarulhos.

 

A primeira manifestação ocorreu por volta das 13 horas. A Avenida Papa João Paulo I foi bloqueada por cerca de 100 pessoas, segundo moradores do bairro, com pneus e pedaços de madeira queimados. Polícia Militar e bombeiros foram chamados e dispersaram manifestantes. Na sequência, um trator retirou o material queimado da via, que foi reaberta ao tráfego. Entretanto, manifestantes permaneceram no local e, após a saída da PM, um ônibus foi parado e os passageiros, obrigados a descer. O coletivo foi queimado e ficou totalmente destruído.

 

Como retorno da polícia, houve grande confusão. "Eles atiraram muito, com balas de borracha. Acertaram até as meninas. Uma vizinha ficou com a perna sangrando", disse uma moradora que não quis se identificar. A polícia deteve o desempregado Anderson Maciel, de 31 anos. Segundo policiais, ele estava armado e foi quem dominou o motorista do ônibus - mas foi detido sem nenhuma arma. Uma moça, que disse ser irmã dele e também não quis se identificar, falou que ele estava "bêbado" e por isso participou da confusão.

 

Os pais dos desaparecidos não foram localizados pelo Estado durante a noite para dar mais detalhes sobre o sumiço. Em nota, a Polícia Militar disse que apura as suspeitas apresentadas pelos moradores e solicita que as pessoas que tenham alguma informação útil às apurações procurem a Corregedoria da PM.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.