Jovem teve nariz quebrado em confronto na Prefeitura

O assistente social Vinícius Figueira Boim, de 25 anos, que apanhou de policiais na manifestação contra aumento nas tarifas de transportes na frente da Prefeitura, na quinta-feira, operou ontem o nariz no Hospital do Servidor Público. Boim teve o nariz quebrado, a boca cortada, estava com dores na coluna, por causa de um golpe no pescoço que recebeu dos policiais, e ainda tinha marcas de cassetetes nas costas.

BRUNO PAES MANSO, O Estado de S.Paulo

19 Fevereiro 2011 | 00h00

Na quinta, ele chegou à manifestação pouco antes da confusão. Estava perto da vereadora Juliana Cardoso (PT), que foi agredida com gás de pimenta ao tentar negociar com a Tropa de Choque. Segundo José Walber Ferreira, amigo de Boim, o assistente social segurava uma bandeira, que passou a agitar para dissipar o gás. Nesse momento, três homens da PM passaram a agredi-lo. Recebeu um soco na boca, uma gravata e continuou a apanhar no chão, desacordado.

Os próprios policiais o levaram ao Hospital do Servidor, onde chegou algemado. Segundo a assistente social Vanessa Faro Chaves, namorada de Boim, ele ainda estava com o organismo fragilizado, pelas agressões e por não se alimentar havia 26 horas.

O PT entrou com representação na Corregedoria da PM e na Ouvidoria para investigar excessos dos policiais. Segundo a PM, foi aberto inquérito policial militar para investigar eventual abuso dos policiais. Outro inquérito foi instaurado na Polícia Civil para apurar excessos de manifestantes.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.