Jovem planeja morte da mãe e acaba presa em Campinas

Filha queria ficar com herança e seguro de vida de 10 mil reais; outras três pessoas envolvidas foram presas

Ricardo Valota, do estadão.com.br,

25 de junho de 2008 | 05h01

Quatro jovens foram detidos, na noite desta terça-feira, 24, acusados de seqüestrar uma contabilista, de 44 anos, na cidade de Campinas, interior do estado. Um dos detidos é a própria filha da vítima, que planejou a morte da mãe para ficar com a herança e um seguro de vida de 10 mil reais. Eram 21h30 quando a vítima foi rendida por João Marcos da Silva, de 19 anos, e Vágner Pereira da Silva, de 21 anos, segundos após sair de uma igreja evangélica, na Rua José Rosolen, no Jardim Londres. Armados com revólveres calibres 32 e 22, os dois criminosos iriam levar a mulher até Hortolândia, cidade vizinha, onde ela seria assassinada. Acionados por uma testemunha, policiais militares localizaram o carro dez minutos depois na altura do quilômetro 98 da pista sentido capital-interior da Rodovia Anhangüera, ainda em Campinas. Detidos, Vágner e João Marcos disseram que o crime havia sido encomendado por Tainá de Campos Rosa, de 19 anos, filha da vítima, e uma amiga desta, Renata Alves da Silva, de 21 anos, que ajudou a jovem a entrar em contato com os dois autores do seqüestro. Tainá foi detida em casa, na Vila Padre Manoel da Nóbrega, em Campinas; já Renata foi encontrada em Hortolândia. Os quatro acusados foram encaminhados ao 01º Distrito Policial de Campinas, no centro, onde confessaram a intenção de matar a contabilista. João e Vágner, que não tinham passagem pela polícia, serão transferidos para a carceragem do 02º Distrito Policial e, nesta quarta-feira, possivelmente encaminhados para algum Centro de Detenção Provisória (CDP) na região. As duas jovens serão levadas para um presídio em Indaiatuba. O quarteto foi indiciado por roubo qualificado e formação de quadrilha.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.