Luiz Fernando Toledo/Estadão
Luiz Fernando Toledo/Estadão

Jovem perde pai, mãe e irmão após chuvas na Grande São Paulo

Wallace Mandu de Lima, de 19 anos, estava na casa de amigos no momento da tragédia; quando viu os escombros, começou a chorar

Luiz Fernando Toledo, O Estado de S. Paulo

11 Março 2016 | 22h28

FRANCISCO MORATO - O deslizamento de terra na Rua Irã, em Francisco Morato, na Grande São Paulo matou o metalúrgico José Mandu de Lima, de 51 anos, e seu filho Walisson Lima, de 23. O Corpo de Bombeiros, por volta das 17h, ainda fazia buscas pelo corpo da esposa de Mandu, Neusa, que não teve a idade divulgada.

O imóvel, localizado em um terreno mais baixo do que a calçada, acessado somente após um lance de escadas, foi completamente destruído. 

O outro filho do casal, Wallace Mandu de Lima, de 19 anos, estava na casa de amigos em Pirituba, na zona norte de São Paulo, e só ficou sabendo do acidente no dia seguinte. Quando chegou à casa, segurando a mão de duas vizinhas, vestia preto. Estava em silêncio até então. "Ele não falou nada desde o começo do dia, não tem uma reação sequer", contou a amiga Juliana Alves da Paz, de 22 anos, que mora em uma casa do outro lado da rua. 

Mas a reação logo veio: Ao reconhecer o corpo do irmão, o segundo encontrado pelo Corpo de Bombeiros, desabou. Passou a mão na cabeça, olhou para as centenas de pessoas que rodeavam os escombros de seu antigo lar e começou a chorar. Ele não quis dar entrevista e saiu do local por volta das 15h.

O estudante e vizinho da família Tainã Caetano, de 18 anos, disse que viu de perto o deslizamento de terra que soterrou a casa de seus vizinhos. "A terra veio que nem foguete", contou ele, que estava na calçada por volta de 23h30, quando a tragédia começou.

O impacto, segundo moradores, causou um estrondo que fez o chão tremer e acordou vizinhos assustados. Caetano e outros moradores começaram a gritar pelo nome do casal. Quando perceberam a gravidade do problema, acionaram o Corpo de Bombeiros, que segundo ele só chegaria quatro horas depois. "Os vizinhos se mobilizaram com pás para tentar encontrar alguém na casa. Achamos só o corpo do pai", disse ele. 

Vizinha do local do acidente, a copeira Glória Gregória Maria da Conceição, de 64 anos, teve o muro de sua casa destruído. "Eu estava dormindo e não vi nada. Acordei com os gritos de quem estava na rua. Era uma lama só. Primeira vez que vejo uma tragédia dessa".

Tragédia. De acordo com relatos dos vizinhos, Walisson chegou em casa minutos antes do acidente. Ele era vocalista da banda gospel Vozes, que se apresentava em uma igreja evangélica da comunidade, e ensaiava com o grupo. "Era um rapaz honesto, sempre estava na igreja", contou a amiga Karen Caldeira, de 25 anos.

O pai, segundo relatos, era visto como trabalhador. "Eles tinham acabado de comprar uma barraca de churrasquinho para o filho trabalhar. Eram pessoas da igreja, honestas e trabalhadoras", relatou o primo de Mandu, Bruno Santos, de 23 anos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.