Adriele Sena/Reprodução Facebook
Adriele Sena/Reprodução Facebook

Jovem mata namorada a facadas e tenta suicídio no interior de SP

Segundo família da vítima, ela contou que já vinha sofrendo agressões e voltou a casa para terminar o relacionamento

José Maria Tomazela, O Estado de S.Paulo

29 Agosto 2018 | 18h06

Correções: 02/09/2018 | 20h08

SOROCABA - Um jovem de 21 anos matou com dez golpes de faca a namorada, de 22, na noite desta terça-feira, 28, em Guaíra, interior de São Paulo. Mesmo ferida, a vítima, Adriele Freitas de Sena, tentou fugir do agressor, mas caiu na porta da casa. Após o crime, o suspeito Valdelício Cledison Donizete usou a mesma arma para tentar se matar, mas só conseguiu se ferir. 

Ele foi levado para a Santa Casa de Barretos e continuava internado, sob custódia, na tarde desta quarta-feira, 29. A prisão preventiva do agressor já foi decretada pela Justiça.

De acordo com a Polícia Civil, o crime aconteceu na casa dos pais de Donizete, no bairro Tonico Garcia.  Segundo o pai da vítima, Douglas Aparecido Silva de Sena, ela havia contado à família que vinha sofrendo agressões e tinha decidido terminar o relacionamento. Como morava com Donizete, pediu apoio à família para retornar a casa e explicar o motivo do término. 

De acordo com o delegado, os demais familiares decidiram deixar o casal conversando na sala e foram até a cozinha. Foi quando ouviram os gritos de socorro e viram a jovem ensanguentada, correndo para a rua. Ela caiu na frente da casa e morreu no local. Conforme o relato deles, quando retornaram à sala, encontraram o rapaz com ferimentos à faca na barriga e no pescoço. 

O corpo de Adriele foi sepultado na tarde desta quarta, no Cemitério Municipal de Guaíra. A jovem, que tinha uma filha pequena de outro relacionamento, praticava judô desde a adolescência e chegou a representar a cidade em campeonatos internacionais. Valdelício vai responder pelo crime de feminicídio. Ele não tinha passagens pela polícia.

Correções
02/09/2018 | 20h08

Parentes de Adriele contestam a versão passada inicialmente pelo delegado Rodrigo Ferreira de que as duas famílias tentaram fazer uma reconciliação do casal e por isso houve o encontro na casa dos pais de Donizete. Segundo o pai da vítima, Douglas Aparecido Silva de Sena, não houve ess tentativa. Ela havia contado à família sobre a agressão e decidido terminar o relacionamento. Como morava com Donizete, pediu apoio à família dela para retornar a casa e explicar o motivo do término. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.