Facebook
Facebook

Filha é presa por tramar com o namorado morte de pai em Ubatuba

Casal teria contratado assassinos para executarem a vítima com cinco tiros dentro de casa. Jovem alega que advogado a abusava na infância

Rene Moreira, especial para O Estado

09 Novembro 2018 | 11h24
Atualizado 09 Novembro 2018 | 19h11

FRANCA -  Uma estudante de 19 anos e o namorado dela de 24 anos foram presos nesta sexta-feira, 9, pela polícia de Ubatuba sob a suspeita de tramarem a morte de um advogado de 43 anos. A vítima, Luciano Pedroso de Toledo, é pai da acusada, que com o namorado teria contratado os assassinos.

 O advogado foi alvejado com cinco tiros em sua casa, no bairro Estufa 1. Um cunhado dele, que não conseguia contato por telefone, foi ao local nesta quinta e se deparou com o corpo caído na sala do imóvel. Peritos apontaram que ele foi morto um dia antes, na quarta-feira, 7, tendo os disparos atingido principalmente a cabeça.

A jovem é filha única, mas vinha morando com o namorado no bairro Praia Grande. Para justificar o ato, ela alegou que sofreu abuso do pai na infância, o que ainda está sendo apurado. O namorado dela conta com passagens pela polícia pelos crimes de roubo e furto.

A polícia não divulgou os nomes dos dois para não atrapalhar as investigações. Eles foram ouvidos na delegacia e teriam confessado o crime, tramado com duas semanas de antecedência.

Inicialmente disseram ter contratado um assassino, mas depois o rapaz mudou de versão e apontou mais pessoas envolvidas no crime. Até a noite desta sexta-feira, 9, a Polícia Civil continuava atrás dos autores.

Repercussão

A jovem é filha única e o pai era formado pela Faculdade de Direito da Mackenzie e tinha pós-graduação em direito empresarial pela Fundação Getúlio Vargas. 

A OAB (Ordem dos Advogados do Brasil) de São Paulo divulgou nota para dizer que "está monitorando o caso" diretamente através do presidente da subseção de Ubatuba, Thiago Penha de Carvalho Ferreira, "que acompanhou a realização das diligências".

Nas redes sociais houve homenagens de familiares e amigos. "Muito triste isso. Sentiremos muito a sua falta", escreveu um primo do advogado. Na noite desta sexta, 9, a Justiça expediu mandado de prisão temporária do casal, que deve permanecer preso.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.