Arquivo pessoal
Arquivo pessoal

Jovem descobre gravidez após ficar tetraplégica em batida de carro

Bebê nasceu há dois dias; adolescente de 16 anos ficou sabendo que estava grávida durante cirurgia na coluna lesionada

José Maria Tomazela, O Estado de S. Paulo

17 Novembro 2016 | 17h25

SOROCABA - Completou dois dias de vida nesta quinta-feira, 17, o bebê da adolescente Kimberlyn Cristina Pontes, de 16 anos, que ficou tetraplégica em um acidente de carro, em maio deste ano, em Araçoiaba da Serra, interior de São Paulo. O motorista do carro estava bêbado. A jovem só descobriu que estava grávida 15 dias depois do acidente, durante uma cirurgia na coluna lesionada. Os médicos lutavam para salvar a vida de Kimberlyn quando constataram a gravidez.

O bebê, Davi Henrique, nasceu prematuro, na terça-feira, 15, pesando 1,7 kg e medindo 40 centímetros. A criança continua na incubadora do Conjunto Hospitalar de Sorocaba, sob acompanhamento médico. A mãe também está internada no hospital e ainda não há previsão de alta. 

O acidente aconteceu quando a adolescente pegou carona para seguir do bairro Cercado, na zona rural, para sua casa, no centro urbano. Duas irmãs dela estavam no carro, que era dirigido por um rapaz bêbado. Ele começou a fazer manobras arriscadas e bateu o carro num poste, numa estrada vicinal. O veículo capotou várias vezes e parou com as rodas para cima. Kimberlyn ficou pendurada pelo cinto de segurança. 

Os outros ocupantes do carro não tiveram ferimentos graves, mas ela sofreu fratura na coluna e passou por vários hospitais. A gravidez de três meses foi descoberta quando a jovem foi transferida para São Paulo, após conseguir vaga para a cirurgia. Durante sete horas, tempo que durou a cirurgia, os médicos lutaram para salvar a vida da mãe e preservar o bebê.

Kimberlyn passou o resto da gestação hospitalizada em Sorocaba e sobreviveu com o bebê a duas pneumonias e uma infecção bacteriana. A mãe da adolescente, Luciana Pontes, de 41 anos, deixou o trabalho de diarista para ficar com a filha e a criança no hospital. Uma campanha nas redes sociais pede ajuda para a família, principalmente para a compra de fraldas, que são usadas tanto pelo bebê, quanto pela jovem mãe.

Mais conteúdo sobre:
São Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.