Jovem apanha de seguranças nos Jardins

O estudante Rafael Barreto Delgado, de 18 anos, afirmou ter sido espancado por oito seguranças em frente à casa noturna Ballroom, na esquina das ruas Estados Unidos e Augusta, nos Jardins, na zona sul. Dois amigos dele, de 18 e 19 anos, se apresentaram à polícia como testemunhas da cena. Por meio de nota, a Ballroom afirmou que está colaborando para esclarecer os fatos.

O Estado de S.Paulo

03 de fevereiro de 2013 | 02h02

Segundo o relato da vítima a policiais do 78.º Distrito Policial, eram 5 horas da manhã de sexta-feira quando Rafael e as duas testemunhas aguardavam outros amigos em frente à casa noturna. Os jovens contaram que puxaram conversa com uma mulher que estava na calçada e que ela respondeu de forma agressiva. Disse que seu namorado estava por perto e deu alguns empurrões nos estudantes, segundo o relato dos jovens.

O namorado dela ouviu a confusão e foi tomar satisfação. Disse que era o promoter da Ballroom e pediu ajuda aos seguranças, que vieram socorrê-lo.

Os jovens disseram que Rafael começou a apanhar do grupo de seguranças privados sem que fosse perguntado a eles qualquer coisa. Segundo contaram na polícia, eles vieram com cabos de vassoura, bastões e pedaços de madeira para dar a surra. Rafael disse que chegaram a agredi-lo ainda caído no chão. Deram socos e pauladas nas pernas e no rosto do jovem.

Rafael precisou ser levado ao Hospital Albert Einstein e ficou bastante ferido, com marcas no rosto. A família afirmou ao Jornal Hoje, da Rede Globo, que o garoto precisou fazer uma cirurgia no nariz. Eles ainda contaram que Rafael foi socorrido por uma amiga que o levou de carro ao hospital. Seus dois amigos foram à delegacia denunciar a agressão.

O caso foi registrado no 78.º DP como lesão corporal consumada. "A gente se sente inseguro, impotente e indignado. Como é que ele vai sair de novo de casa e como eu vou me sentir?", disse o pai, Luís Antônio Delgado, ao Jornal Hoje. Ele afirmou que as imagens da câmera do posto de gasolina em frente à boate podem ajudar no caso.

Boate. De acordo com a nota da Ballroom, os seguranças disseram que três deles teriam ido ao local para apaziguar uma briga entre dois grupos. Eles ainda informaram que passaram as imagens da câmara de vigilância à polícia para ajudar no esclarecimento do caso.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.