José Serra critica ação de guardas civis em Heliópolis

GCMs de São Caetano perseguiam assaltantes e entraram atirando na comunidade de São Paulo

Carolina Freitas, Agência Estado

02 de setembro de 2009 | 18h05

O governador de São Paulo, José Serra (PSDB), criticou nesta quarta-feira, 2, a atuação da Guarda Civil de São Caetano do Sul, que trocou tiros durante perseguição com supostos assaltantes na favela de Heliópolis, zona sul da capital paulista. No tiroteio, uma bala perdida causou a morte de uma adolescente de 17 anos. "Um evento lamentável deflagrado por uma Guarda Civil despreparada para enfrentar situações como essa", disse o governador. "Entrar atirando em uma favela é uma barbaridade."

 

Veja também:

linkGCM que atirou em jovem saiu da PM por fazer sexo no quartel

linkCorpo de adolescente morta em Heliópolis é enterrado

linkMoradores ganhariam cesta básica para protestar em Heliópolis

link Em Heliópolis, 21 detidos por protesto contra morte de jovem

mais imagens Galeria de fotos dos protestos em Heliópolis

 

A morte da garota provocou protestos dos moradores de Heliópolis nas noites de segunda e terça-feira. Eles incendiaram ônibus e fecharam ruas. O governador defendeu a atuação dos policiais militares para conter a manifestação. "O direito de protesto é algo que defendemos, mas, quando há vandalismo, a polícia tem de atuar." Policiais controlaram o protesto com bombas de efeito moral e tiros de bala de borracha. Foram detidas para averiguação 21 pessoas.

Mais conteúdo sobre:
HeliópolisJosé Serraconfronto

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.