Divulgação
Divulgação

Jogo de fuga é atração na Vila Olímpia

Programa fora do óbvio, Escape60 é um tipo de RPG em que os participantes precisam encontrar a saída de uma situação perigosa

Gustavo Zucchi, O Estado de S. Paulo

16 de setembro de 2015 | 00h28

Presos em uma sala, você e um grupo de amigos precisam encontrar uma saída em até 60 minutos. Do contrário, o fantasma de um antigo colega vingativo virá buscar suas almas. Assustador? Não no Escape 60. Chamado de "jogo de fuga", é uma mistura de RPG com jogos de aventura para PC dos anos 90 (como Day of Tentacle e Monkey Island). E tem feito sucesso na Vila Olímpia desde o primeiro semestre deste ano. O conceito já é bastante popular na Europa, na Ásia e nos Estados Unidos, e aos poucos está conquistando um público também no Brasil.

A adrenalina que remete a filmes de suspense e ação surge já no momento em que o grupo, que pode ter entre quatro e dezesseis pessoas, é trancado em uma sala. A partir de então, o objetivo é encontrar as pistas que levarão à fuga. Ao todo, a casa no número 18 da rua Baluarte oferece seis salas, cada uma com uma temática e um enredo diferente. Há a história de terror contada no início deste texto, por exemplo, ou o desafio de escapar do corredor da morte na prisão.

"Moldamos algo para a nossa forma de pensar, que é um pouco diferente do que no exterior. Aqui desenvolvemos a história, os desafios, a criação como um todo", conta o diretor comercial do Escape 60, José Roberto Szymonowicz. Segundo o diretor, o tipo de desafios e charadas encontrados no exterior são diferentes e tiveram que ser adaptados ao público brasileiro.

Alternativa de lazer menos manjada do que ir a bares, baladas e shoppings, o Escape 60 tem feito sucesso. Nos primeiros meses, era difícil encontrar um horário disponível para participar. Segundo Szymonowicz, uma nova unidade deve ser inaugurada em breve na capital paulista e há planos de abrir franquia para a marca ser levada a outros estados do Brasil. "Nos empenhamos bastante, viajamos, enfim, nos aplicamos para proporcionar uma experiência bacana.

Esse atual grau de satisfação que estamos vendo é muito legal, e estamos trabalhando com afinco para aumentar isso." A média de público desde a abertura gira em torno entre 2 000 e 3 000 pessoas por mês. São grupos de amigos, de empresas e também famílias (crianças podem participar).

Para que cada experiência no Escape 60 seja diferente da outra, as salas serão renovadas periodicamente. Assim, mesmo quem já jogou pode voltar em busca de novas histórias. O ambiente Joia da Coroa, por exemplo, em que o propósito era recuperar o precioso objeto e fugir antes do retorno dos ladrões, já não está mais disponível. Em seu lugar, com um cenário novo e desafios completamente diferentes, entrou o tema do filme "Goosebumps", que estreia o Brasil em outubro e tem Jack Black no papel do americano R. L. Stine, autor da série de livros de terror infanto-juvenil. 

Como participar. O Escape 60 funciona todos os dias e é preciso fazer reserva. Nas noites de sexta e nas manhãs de sábado, o sistema do site abre novas possibilidades de horários (http://www.escape60.com.br/). No fim de semana, a última seção começa às 23h40. Pagam-se de R$ 69 a R$ 79 por pessoa, dependendo do dia e horário escolhidos.

Szymonowicz recomenda não menosprezar os desafios. Segundo ele, a média de grupos que conseguem escapar é de 15%, até o momento. Equipes maiores em geral têm mais sucesso na empreitada do que os times que encaram a brincadeira com o número mínimo de integrantes.

Conheça as salas disponíveis atualmente no Escape 60

S.O.S - Salvem Nossas Almas: o grupo deve ter entre quatro e dez pessoas. Todos são colegas de escola que foram convidados para um jantar de comemoração por um dos alunos que sofria bullying. Ao entrar na sala, os convidados descobrem que o anfitrião está morto e que se não conseguirem sair em 60 minutos, suas almas serão levadas para o além.

Corredor da Morte: a sala reproduz um presídio e os oito (no máximo) participantes estão algemados. Há doze anos, eles foram condenados injustamente. No dia da execução, descobrem que já houve o caso de alguém que conseguiu fugir dali. Precisam tentar repetir o feito para escapar da morte. Eles têm uma hora até que o carcereiro volte. 

O Falsário: esse enredo permite o maior número de participantes. Dezesseis pessoas podem compor dois grupos de oito. São dois desafios: um time compete contra o outro, para ver quem recupera o quadro; depois é preciso escapar antes que o falsário volte com a máfia.

O Laboratório do Dr. Mortare: o time de até oito pessoas constitui uma divisão especial antiterror e precisa impedir que o Dr. Mortare despeje na água da cidade uma fórmula letal, tudo antes que um gás venenoso seja liberado na sala e mate a todos.

Operação Resgate: em um quarto de hotel, a equipe tem de descobrir pistas do paradeiro de uma prima desaparecida. Ela esteve hospedada nesse mesmo local e agora, nas mãos de um psicopata, tem apenas uma hora de vida. A equipe pode ter no mínimo quatro e no máximo oito integrantes.

Goosebumps: baseado na famosa série literária do americano R.L. Stine. Todos estão presos no escritório do autor e têm uma hora para solucionar o mistério antes que os monstros escapem dos livros e os ataquem. Esse enredo só fica disponível até o dia 2 de dezembro.


Tudo o que sabemos sobre:
BairrosSPVila OlímpiaEscape 60

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.