Jobim anuncia obras emergenciais e reforma em Viracopos

Aeroporto de Campinas deve passar por pequenas reformas para receber vôos de Congonhas

Gustavo Porto e Tatiana Fávaro, da AE, e Solange Spigliatti, do estadao.com.br,

11 de agosto de 2007 | 12h33

O ministro da Defesa, Nelson Jobim, pediu neste sábado, 11, obras emergenciais na área de check-in do Aeroporto de Viracopos, em Campinas, no interior de SP, para receber as 21 rotas aéreas deslocadas de Congonhas. De acordo com Jobim, que visitou por cerca de uma hora o aeroporto como parte de uma inspeção em aeroportos próximos à Capital, a área de check-in, apesar de extensa, tem pouca profundidade para receber uma concentração grande de passageiros.  Após deixar o aeroporto de Viracopos, o ministro visitou o Aeroporto Estadual de Jundiaí, também no interior do Estado. Os aeroportos serão destinos de vôos remanejados de Congonhas, na Zona Sul da Capital. A programação do ministro prevê ainda uma inspeção em Guarulhos e Congonhas.  "O aeroporto está em boas condições, mas possui um gargalo que temos de resolver que é o do check-in", disse o ministro. "Determinamos também a elaboração de um plano diretor amplo, com medidas de curto prazo e de longo prazo, para transformar Viracopos num aeroporto para suportar a malha aérea de hub brasileira." Entre as medidas de médio e longo prazo Jobim anunciou que a pista principal de Viracopos, com 3.240 metros e mais de 20 anos de uso, será completamente reformada em 2008, logo após o término das obras da pista de Guarulhos. Já a pista de taxiamento, em obras para receber a demanda de Congonhas, deve ser alargada e utilizada como pista auxiliar durante a reforma. Segunda pista O ministro pediu também o plano diretor de Viracopos para avaliar a construção de uma segunda pista no aeroporto do interior paulista. Os recursos, segundo o ministro, devem ser incluídos no Programa de Aceleração do Crescimento (PAC). Só em desapropriações, de acordo com o prefeito de Campinas, Hélio de Oliveira Santos (PDT), seriam necessários R$ 250 milhões. Ao ser indagado sobre quando as obras emergenciais na área de check-in começam, Jobim obteve como resposta um "talvez começaremos na semana que vem" do superintendente da Regional Sudeste da Infraero, Edgard Brandão Júnior, e, imediatamente, retrucou: "talvez, não, nós começamos na semana que vem", disse o ministro, que esteve acompanhado do presidente da Infraero, Sérgio Gaudenzi e do comandante da Aeronáutica, Juniti Saito. Em Jundiaí, Jobim disse que o aeroporto da cidade passará a receber parte dos vôos executivos que hoje pousam no Aeroporto internacional de Congonhas. A intenção do governo é dobrar o número de pousos no aeroporto do interior, de 100 aeronaves por dia para 250. Segundo o Secretário de Estado dos Transportes, Mauro Arce, que acompanhou a visita do ministro ao aeroporto, o investimento necessário para as operações é de R$ 1,1 milhão para a construção de uma torre de controle e aquisição de instrumentos.   Críticas Na visita em Viracopos, o ministro da Defesa criticou ainda a falta de informações mais completas aos usuários nos painéis do aeroporto e deu a entender, nas reclamações, que esse é um problema comum nos aeroportos.   Ele cobrou, por exemplo, que o passageiro seja informado sobre quando será realmente a partida do seu vôo, mesmo com atraso. Nos painéis de Viracopos, as informações apontavam apenas para estimativas. "É preciso trabalhar para definir claramente as responsabilidades sobre isso entre a Infraero e as empresas", afirmou. Apesar das críticas pontuais, Jobim elogiou o fato de Viracopos só fechar, em média, oito horas por ano por problemas climáticos, e ainda o fato de o aeroporto ter amplas áreas de embarque e de desembarque. De acordo com a Infraero, o saguão de embarque e de desembarque está sendo aumentado de 800 metros quadrados para 2,2 mil metros quadrados, o que pode suportar um movimento anual de até 4,5 milhões de passageiros. Hoje o aeroporto recebe 26 vôos diários e opera com uma folga superior a 1 milhão de passageiros.  Já a área de boxes para os aviões deve ser ampliada de 11 boxes para 20 boxes para receber a demanda extra deslocada de Congonhas. Logo após realizar vistorias nos aeroportos, Jobim comparece na feira Labace 2007 (Exposição e Conferência de Aviação Executiva na América Latina), no Hangar da Vasp, acesso pela avenida Washington Luís.  Matéria ampliada às 13h05

Tudo o que sabemos sobre:
JobimViracopos

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.