Divulgação/Movimento 90°
Divulgação/Movimento 90°

Jardins verticais e telhados verdes vão servir em SP como compensação ambiental

Termo de Compromisso Ambiental (TCA) agora engloba essas duas possibilidade para quem intervém na vegetação quando vai construir

Mônica Reolom, O Estado de S. Paulo

12 Março 2015 | 03h00

SÃO PAULO - A Prefeitura de São Paulo incluiu entre as possibilidades de compensação ambiental a instalação de jardins verticais e telhados verdes pela cidade.

Em decreto publicado nesta quarta-feira, 11, no Diário Oficial, o prefeito Fernando Haddad institui uma mudança no Artigo 4° do decreto que regulamenta o Termo de Compromisso Ambiental (TCA), permitindo que empresas e pessoas físicas que intervenham na vegetação para construir edificações possam compensar a perda da área verde com essas duas opções.

"Essa é uma vitória para a cidade de são Paulo e esse decreto pode servir de modelo a outras cidades do Brasil", afirma o paisagista e idealizador do Movimento 90°, Guil Blanche. "Nossa expectativa é que construtoras procurem a Prefeitura com esse objetivo. Abre mais uma possibilidade para transformar a cidade".

O Movimento 90° é um grupo de paisagistas, arquitetos e engenheiros que luta pelo aumento de área verde em São Paulo por meio da instalação de jardins verticais em paredes nuas de prédios. Um dos projetos do grupo é a instalação de 20 painéis com plantas no Minhocão, no centro de São Paulo.

Segundo Blanche, o prefeito procurou o movimento depois que o Estado publicou uma matéria sobre os planos para o Minhocão, em novembro. O objetivo era encontrar uma maneira de apoiar a execução dos jardins verticais pela cidade, o que foi efetivado agora.

Os jardins verticais funcionam como isolante térmico e podem diminuir em 30% a poluição do entorno. Já as coberturas verdes, também conhecidas como telhados verdes, consistem na aplicação de plantas sobre construções para ajudar a absorver a água da chuva e a diminuir a temperatura interna dos ambientes.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.