Jardim Romano: Construção de dique expõe conflito entre SP e Guarulhos

A desavença entre São Paulo e Guarulhos decorre de dois problemas principais. O primeiro é que não existe uma autoridade metropolitana no Estado capaz de articular o interesse e as preocupações das partes envolvidas na questão. As decisões técnicas são tomadas de forma unilateral, situação que depois acaba provocando atritos.

Julio Cerqueira Cesar Neto*,

16 Dezembro 2010 | 21h29

 

Como o dique do Jardim Romano encontra-se perto da divisa entre as duas cidades, os conflitos são inevitáveis. O Departamento de Águas e Energia Elétrica (DAEE) não consegue cumprir esse papel de articulação política e as consequências são as que estamos vendo.

 

O segundo problema está ligado à terceirização dos principais projetos do DAEE. Escritórios particulares desempenham a missão que deveria ser tocada por técnicos do departamento. Como resultado, o DAEE acaba não assumindo responsabilidades pelas soluções pensadas. O Estado fica assim fragilizado.

 

* É professor da Escola Politécnica, ex-presidente do Comitê da Bacia do Alto Tietê

Mais conteúdo sobre:
Jardim Romano

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.