Janeiro deve fechar como o mês mais quente desde 1943

Hoje foi o dia mais seco do ano: umidade relativa do ar chegou a 14%

Guilherme Soares Dias, especial para o Estado,

29 Janeiro 2014 | 17h59

Os dias de calor em janeiro nunca foram tão quentes em São Paulo quanto em 2014. A temperatura média na capital paulista até hoje é de 31,7 graus, a maior desde 1943, quando começou a série histórica medida pelo Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet). A temperatura deste mês é ainda 4 graus maior do que a média histórica para o primeiro mês do ano. Hoje, a temperatura chegou aos 33,9 graus no mirante de Santana, na zona norte. A maior temperatura do ano foi registrada em 3 de janeiro, quando atingiu 35,4 graus.

 

Esse janeiro de 2014 também concorre para ser o mês mais quente da série história. Até o momento a maior temperatura foi registrada em fevereiro de 1984: 31,8 graus. "Como os próximos dois dias devem ser quentes, pode igualar ou até ultrapassar esse patamar", diz o meteorologista do Inmet, Franco Vilela. As altas temperaturas são explicadas, segundo ele, pela sistema de pressão que impede a chegada de frentes frias da região Sul e de ventos amazônicos. "Esses fenômenos trazem chuva e aliviam a temperatura", diz.

Hoje, os termômetros da região do Butantã, na região oeste, registraram a maior temperatura na cidade: 35,5 graus, de acordo com dados do Centro de Gerenciamento de Emergências (CGE) da Prefeitura de São Paulo. No bairro da Consolação, na região central, chegou a 35 graus. Em Congonhas, na região sul, os termômetros marcaram 34 graus e em Guarulhos, 33.

 

Umidade do ar. A tarde de hoje foi a mais seca do ano, segundo o Inmet, chegando a 14%. "É uma situação de alerta. Amanhã teremos um novo dia quente, com temperatura em 33 graus e umidade do ar entre 20% e 30%", diz o meteorologista da Climatempo, Marcelo Pinheiro. De acordo com ele, na sexta-feira e no fim de semana há possibilidade de chuvas rápidas, mas as temperaturas continuam altas. "As pancadas de chuva não serão significativas para abastecer os reservatórios que estão vazios", afirma.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.