Tiago Queiroz/AE - 23.07.10
Tiago Queiroz/AE - 23.07.10

Jaguatirica no carnaval causa polêmica

Escola Tom Maior ainda não pediu autorização ao Ibama para colocá-la no desfile; para veterinários, exposição de animais é ''absurda''

Candinho Neto, Marcela Spinosa e Marici Capittelli, O Estado de S.Paulo

17 Fevereiro 2011 | 00h00

Uma jaguatirica estará no Sambódromo do Anhembi no carnaval deste ano. Ela será levada pela Escola Tom Maior. A agremiação pretende usar ainda um segundo animal - uma suçuarana ou um lagarto. Embora os felinos estejam ameaçados de extinção, a entidade não pretende pedir autorização para o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) por temer que ela não seja concedida. Veterinários consideram a exposição dos animais "absurda" e dizem que eles podem até morrer por estresse.

A Tom Maior, que vai homenagear a cidade de São Bernardo do Campo e pretende ainda trazer o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, justificou a presença dos animais. "Queremos fazer uma brincadeira e passar a mensagem da preservação", disse o presidente da agremiação, Marko Antonio da Silva.

Ainda não está claro se as feras vão ou não desfilar. Silva deu duas versões à reportagem sobre a atuação dos bichos. No domingo, garantiu que eles desfilariam e a documentação havia sido enviada ao Ibama. Ontem, o presidente afirmou que os animais não entrarão na avenida. "Eles vão ficar em jaulas com rodinhas e vão até a concentração." A ideia é que os animais fiquem antes da comissão de frente. Assim que o desfile começar, as jaulas seriam levadas para outro ponto da concentração.

Silva ainda garantiu ontem que não vai pedir autorização ao Ibama, apesar de ela ser obrigatória. "A ideia é não falar, porque eles não vão autorizar e vão estragar nosso feito."

Segundo o Ibama, a Tom Maior precisa de autorização do órgão para o transporte dos animais ao sambódromo e eles devem viver em criadouro registrado no instituto.

Para o advogado ambientalista Carlos Cipro, a presença dos animais é "estresse injustificável". Segundo ele, ficam caracterizados abuso e maus tratos pela Lei de Crimes Ambientais. Ainda existe uma lei municipal que proíbe a exposição.

A São Paulo Turismo (SPTuris), responsável pela organização do carnaval paulistano, diz que o caso deve ser analisado pela Liga das Escolas de Samba. Já o regulamento do carnaval é omisso em relação ao caso.

PARA LEMBRAR

Urubus saíram da Bienal

No ano passado, três urubus faziam parte da obra Bandeira Branca, de Nuno Ramos, exposta na 29.ª Bienal de São Paulo. Ambientalistas protestaram. O artista dizia ter autorização, mas dias depois a Justiça decidiu que os urubus deveriam voltar para o Parque dos Falcões (SE).

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.