Acervo/Estadão
Acervo/Estadão

Jabaquara: paisagem rural transformada pelo metrô

Até o começo do século XX, o bairro na divisa de São Paulo com Diadema era passagem de viajantes

O Estado de S. Paulo

19 de outubro de 2015 | 17h03

Bairro e distrito onde vivem cerca de 300 mil pessoas, o Jabaquara fica na divisa da capital com Diadema. É considerado recente em termos de ocupação urbana. Antes, foi um grande conjunto de chácaras afastadas umas das outras e pouso de viajantes que atravessavam a região deslocando-se entre São Paulo, Santo Amaro, ABC e Santos. Assim foi até o começo do século XX. 

Em tupi, Jabaquara é Yob-A-Qua-A e significa rocha e buraco. Eram os índios que viviam ali até o século XVII, quando chegou a colonização e a região passou a fazer parte da sesmaria do padre José de Anchieta. No passado, ficou também conhecido como “fim do mundo”, por causa do isolamento e da desocupação, e refúgio dos fujões, porque havia quilombos formados por negros escravos. A principal testemunha de seus primeiros tempos de vida, porém, é o Sítio da Ressaca, cuja casa-sede foi construída em taipa de pilão em 1719, ilustra bem esse perfil – é do tempo em que São Paulo começava a existir, então como “cidade do barro”.

Pescaria e piquenique. O bairro desenvolveu-se lentamente nas primeiras décadas de 1900, com o surgimento do Parque Jabaquara, então uma área de lazer para pescar lambari e fazer piquenique. O primeiro loteamento ocorreu em 1920, mas não tinha nada de urbano. Por muito tempo ainda a região seguiria rural, cheia de minas de água e atividades agrícolas, do tipo criação de gado de leite e cultivo de verduras.

Em 1968, começou a construção do metrô (a primeira estação inaugurada no Brasil foi a do Jabaquara, em 1974). Até então, o bairro era essencialmente periférico. Predominavam as ruas de terra e, no máximo, a região era lembrada pela proximidade do Aeroporto de Congonhas, aberto em 1936. 

Os contornos mais estratégicos, bem como o asfalto, a luz elétrica e a água encanada, foram adquiridos de modo um tanto desordenado e com mais força a partir da estreia do subterrâneo (primeira viagem experimental do metrô teria ocorrido em 1974) e a efetiva abertura da estação na Linha 1 Azul, em 1977. Com os investimentos sequenciais em infraestrutura, o Jabaquara cresceu tentando equilibrar deficiências e desigualdades, aumento populacional e demanda por novos serviços. Criaram-se bolsões de pobreza, com boa parte dos habitantes ainda vivendo em favelas, e outros tantos pontos de classe média e média alta, bem mais valorizados.

1. Dos trens ao bonde

Até 1913, circularam pela região trens a vapor da ferrovia que ligava a Vila Mariana a Santo Amaro. O bonde começou a circular em 1906. Ele tangenciava o Jabaquara e foi implementado pela São Paulo Tramway. A linha ia da rua Tutoia, na vila Mariana, até o centro de Santo Amaro. Alguns moradores se lembram de no fim da década de 50 testemunhar nas ruas do bairro o circular do bonde-camarão, um veículo fechado e avermelhado.

2. Na década de 20: surgem as Vila Santa Catarina e a Avenida Washington Luís

O primeiro loteamento do Jabaquara teria sido a Vila de Santa Catarina que surgiu no fim dos anos 1920, mesma época em que foi aberta a Avenida Washington Luís, ligando a Vila Mariana aos loteamentos que ficavam perto das represas.

3. Aeroporto de Congonhas

Em 1936, outro importante fator de transformação urbana da paisagem da região foi a inauguração do aeroporto.

4. Paróquia de São Judas Tadeu

A paróquia surgiu em 1940 e a pedra fundamental da igreja, como noticiou o Estadão da época, foi lançada na Avenida Jabaquara em março de 1943. Essa igreja valorizou muito o bairro, impulsionando outros loteamentos, como a Vila Mascote. A ocupação efetiva, porém, só se daria nas décadas seguintes. Ainda era uma região isolada.

5. 1948: Colégio Jabaquara

A escola foi fundada em 1948 com o nome de Externato São Francisco de Assis. Em 1949, surgiu o Ginásio Jabaquara, junto ao Externato.

6. 1956: Seicho-no-Ie

É inaugurada, no número 1266 da Avenida Engenheiro Armando de Arruda Pereira, a sede da igreja Seicho-no-Ie no Brasil.

7. 1968: metrô

O metrô começou a ser construído no Jabaquara em 1968 e essa estação foi a primeira a ser inaugurada em setembro de 1974. O distrito ainda abriga atualmente as paradas Conceição e São Judas.

8. 1974: a primeira estação 

A primeira estação de metrô do Brasil foi inaugurada no dia 14 de setembro de 1974 visando ser uma solução para o já complicado trânsito paulista. 

9. 1977: Terminal Rodoviário

Pelo Terminal Rodoviário Intermunicipal Jabaquara passam atualmente mais de 15 000 pessoas por dia. Ele foi criado três anos depois da inauguração do metrô. De caráter intermunicipal, a ideia era substituir da baixada santista que desembarcavam na Luz e no Glicério.

Tudo o que sabemos sobre:
BairrosSPJabaquaraHistória

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.