''Já vivi grandes emoções. Hoje não encontro palavras''

Roberto Carlos vê vitória como 'uma das maiores consagrações' de sua vida; cantor chorou ao declarar seu amor à quadra lotada

Alexandre Rodrigues e Roberta Pennafort, O Estado de S.Paulo

10 Março 2011 | 00h00

A simplicidade de um Rei conduziu a Beija-Flor de Nilópolis à posição de majestade do samba. Depois de dois anos sem vencer, a escola foi novamente motivo de orgulho para os moradores da cidade da Baixada Fluminense, que lotaram sua quadra.

Roberto Carlos, o homenageado pelo enredo da campeã, assistiu à apuração do seu apartamento na Urca, zona sul do Rio, acompanhado por funcionários. E se emocionou - chegou a chorar, segundo o empresário Dody Sirena. "Sem dúvida que essa, se não a maior, é uma das maiores consagrações que recebi na vida. E já vivi grandes emoções, mas esta foi realmente uma coisa que eu não encontro a palavra para dizer o que significa para mim", disse Roberto Carlos.

Ele chegou à quadra da escola às 20h30 e foi abraçado por Neguinho da Beija-Flor, que cantava o samba campeão. O cantor chorou ao declarar seu amor para a quadra lotada. A plateia retribuiu, cantando em coro Emoções. Logo depois, Cláudia Raia, integrante da comissão de frente, foi intensamente aplaudida.

Roberto Carlos havia mandado gravar o desfile e fez questão de assistir às imagens antes da apuração. "Ficou maravilhoso. É minha escola. Foi ainda melhor", afirmou o cantor, que chegou a ter dúvidas se sua história daria samba. "Já chorei muito hoje. Jamais vou esquecer esse carnaval. É uma emoção que jamais pensei que fosse sentir. Eu recebo isso como uma declaração de amor."

O enredo também encheu os componentes da escola de autoestima. "Hei, hei, hei, o Roberto é nosso Rei", era o coro entoado por pelo menos 2 mil vozes. A quadra chegou a ter 10 mil pessoas dentro e 20 mil nas cercanias na apuração.

Roberto Carlos passou duas horas na quadra - ocupou um camarote, de onde lançou rosas artificiais, como fez no desfile. Simpático, tirou fotos com todos e saudou a plateia de mãos dadas com a porta-bandeira Selmynha Sorriso e a rainha de bateria, Raíssa. Saiu às 22h30. "Sempre sonhei com este enredo na Beija-Flor; sabia que era imbatível", afirmou Neguinho da Beija-Flor.

Futuro. O diretor de carnaval, Luiz Fernando Ribeiro do Carmo, o Laíla, quer levar para a Beija-Flor o carnavalesco Renato Lage, do Salgueiro. / COLABOROU LUCIANA NUNES LEAL

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.