Já pensou num selo com a sua foto? Custa R$ 2,50

Desde que o e-mail se popularizou, enviar cartas pessoais se tornou raridade. Para quem ainda quer ou precisa enviar uma correspondência, um pequeno detalhe pode torná-la mais atraente: o selo personalizado.

Ana Bizzotto, O Estado de S.Paulo

25 de maio de 2010 | 00h00

O modelo tem duas imagens: um selo postal e uma foto, impressa em forma de selo, escolhida pelo cliente. De 2003, quando o serviço passou a ser oferecido pelos Correios, até 2009, foram produzidos 2 milhões de selos personalizados.

Um dos modelos disponíveis no site (www.correios.com.br) é o de um par de alianças. A advogada Mônica Martins, de 30 anos, soube do serviço pelo pai, o filatelista Braz Martins Neto. Quando ela se casou, em 2005, ele sugeriu que Mônica fizesse o selo para enviar aos convidados no cartão de agradecimento.

"Fiquei meio receosa de ficar brega, mas no fim ficou legal. Muita gente não achava que era de verdade o selo, não reparava no carimbo do correio", conta Mônica. Um ano e meio depois, sua irmã Patricia, de 32, seguiu o exemplo e fez um selo com a foto do seu casamento. "Acho que quem não é filatelista nem sabe que há essa opção, até porque é cada vez mais raro mandar carta pelo correio", opina Mônica.

A consultora de casamentos Fernanda Floret , de 32 anos, encomendou o selo para sua cerimônia, há dois anos. "Usei nos convites que iam para fora de São Paulo, que não poderia entregar pessoalmente", lembra Fernanda, que também o enviou para agradecer as presenças. "O pessoal adorou. É engraçado porque o serviço existe há bastante tempo, não é caro, e muita gente não conhece. É um detalhe charmoso que faz a diferença."

A gerente da agência filatélica dos Correios em São Paulo, Juliana Marcondes, de 25 anos, também usou o selo para registrar o casamento. "Achei que seria uma lembrança para a cerimônia ficar marcada para sempre."

Para quem ainda não vai casar, mas quer surpreender o namorado, há o modelo "Romance".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.