Já deu seu voto de confiança hoje?

Quem acompanha o noticiário da Itália já desconfiava há tempos que "voto de confiança", por lá, quer dizer outra coisa. Se fosse, como aqui compreendemos, a renovação da crença na probidade moral de alguém, francamente, não se daria ao Berlusconi, como tantas vezes fez nos últimos anos o Senado de Roma. A reputação reincidente do premiê desautoriza esse tipo de compromisso de fé no ser humano em questão.

Tutty Vasques, O Estado de S.Paulo

04 Março 2011 | 00h00

Não à toa, muita gente que aprendeu a falar italiano na novela Passione até ontem imaginava que "voto de confiança", no idioma do Totó, fosse um jargão parlamentar vazio como outro qualquer. Aqui no Brasil não tem o "esforço concentrado"? Pois então: na Itália tem o "voto de confiança" e, como diria o personagem de Tony Ramos, "punto e basta!"

E não se falaria mais nisso, não fosse notícia do Corriere dello Sport dando conta de um pedido de "voto de confiança" que Adriano faria - ou teria feito - à diretoria da Roma, clube do Imperador na Itália. Peralá: se até o Adriano gosta da coisa, capaz der ter mulher no meio! Justiça seja feita ao atacante, nenhuma loura que lhe deu confiança se arrependeu do voto.

Herdeiro do trono

Está claro agora o que a oposição volta e meia chama de "herança maldita do Lula". O cara levou R$ 200 mil de cachê logo na sua primeira palestra como ex-presidente. Dá raiva, né não?

Sem data pra acabar

"NEM NA BAHIA O CARNAVAL DURA TANTO TEMPO!" ACM Neto, na última quarta-feira, saudando o encerramento dos trabalhos no Congresso.

Dúvida cruel

José Padilha, diretor de Tropa de Elite, vive um tremendo impasse profissional: tem convites para refilmar Robocop, Os Intocáveis, Kojac e Vigilante Rodoviário.

Más companhias

O chato de ter o quinto maior crescimento de PIB do mundo é olhar pra frente e ver a Turquia, a Argentina, a Índia e, lá adiante, a China. Todo mundo querendo distância da França, da Alemanha, da Inglaterra, do Japão...

Obsessão macabra

Os americanos estão doidos para dar uns tiros na Líbia. Por melhores que sejam as intenções, não adianta: a guerra está no DNA deles!

Quem diria!

Ex-líder do PSDB no Senado, Arthur Virgílio Neto está se apresentando agora como "diplomata". Não parece, mas é!

Esquerda pink

Se quer mesmo caprichar na maquiagem de esquerda no seu PDB, Gilberto Kassab devia se aconselhar com Marta Suplicy. A senadora é especialista nisso!

Mal comparando

Paulo Roberto Falcão perdeu a vaga no primeiro time de comentarista da Globo para o Caio Ribeiro. Por muito menos, Ronaldo Fenômeno se aposentou.

Marca registrada

Muamar Kadafi deu agora para chamar a onda de protestos que chegou à Líbia de "marolinha". Isso é plágio, né não?

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.