Itaim recorre ao MP contra venda de área

Quatro associações de bairro do Itaim-Bibi, na zona sul da capital, e organizações não governamentais (ONGs) entraram ontem com representação no Ministério Público Estadual para tentar impedir a venda, por parte da Prefeitura, de um terreno público de 20 mil metros quadrados no bairro, entre as Ruas Cojuba, Lopes Neto, Salvador Cardoso e Avenida Horácio Lafer. O valor da área está estimado entre R$ 20 milhões e R$ 30 milhões.

Luísa Alcalde, O Estado de S.Paulo

18 Dezembro 2010 | 00h00

Nesse terreno funcionam oito equipamentos com atendimento ao público: uma biblioteca, uma escola infantil, uma creche, uma unidade de saúde, uma escola estadual, uma unidade da Associação dos Pais e Amigos dos Excepcionais (Apae), um centro de saúde mental e um teatro. O local é chamado pela comunidade do Itaim de "quadrilátero da cultura e da saúde".

A administração quer vender o imóvel à iniciativa privada. Em troca, a incorporadora que comprar o espaço terá de construir creches para atender até 32 mil crianças. O anúncio foi feito na semana passada. "Se esse negócio se concretizar será uma grave lesão ao interesse público e ao erário", diz Jorge Rubies, presidente do Preserva São Paulo.

No início do mês, a Prefeitura informou que vai manter os equipamentos públicos e garantir a preservação da área verde e dos imóveis de comprovado interesse histórico, embora não tenha detalhado como isso será feito.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.